sábado, novembro 30, 2013

Cristo retorna como super-herói gnóstico e trash no filme "Ultrachrist!"

Por trás do “trash” e “non sense” da produção independente atual esconde-se um submundo místico-esotérico-religioso da subliteratura da cultura de massas contemporânea. Uma espécie de “sub-zeitgeist” formado por toda uma literatura de HQs, magazines, filmes B sci fi, horror e fantasia com elementos heréticos e gnósticos. O filme “Ultrachrist!” (2003) é um flagrante exemplo: Cristo como um super-herói que oferece a autodivinização para o homem superar o medo e a sedução.

A professora de crítica literária da University of California at Berkeley Victoria Nelson em seu livro “The Secret Life of Puppets” (Cambridge: Havard UP, 2001) descreve “a estranha história do Fantástico norte-americano”:  de um lado a formação da “religião americana” (a espécie de uma “auto-divinização através de um encontro pessoal com o Sagrado) e, do outro, o desenvolvimento de um “sub-zeitgeist” místico, religioso e sobrenatural formado por toda uma literatura de HQs, magazines, pulp fictions e filmes B sci-fi, horror e fantasia.

Enquanto na Europa o desenvolvimento do fenômeno religioso e do Fantástico sempre esteve associado a filósofos, teólogos e às grandes manifestações artísticas literárias de vanguarda (Romantismo, Gótico, Expressionismo etc.), nos EUA, ao contrário, desde o início se associou a formas culturais populares: das narrativas puritanas do século XVIII, passando pelas notíciais bizarras e sensacionais em magazines e livros de bolso do séc. XIX até a subliteratura de massas da indústria do entretenimento do séc. XX.

Esse duplo aspecto da histórica da religião e do fantástico nos EUA (autodivinização e “sub-zeitgeist”) estão presentes nesse filme, onde Cristo (Jonathan C. Green) retorna para a Terra 2000 anos depois, encontra um marqueteiro que lhe prova que pregar o evangelho tem tudo a ver com Marketing e, inspirado nos super-heróis japoneses, transforma-se em Ultrachrist! (assim como Ultraseven e Ultraman)

O filme começa com uma cena ao estilo “O exterminador do Futuro” com Jesus aparecendo nu em um beco na cidade de Nova York envolto por luzes e fumaça. Descobre pelo jeito mais difícil que as coisas mudaram no ano 2000 e a sua mensagem cai em ouvidos surdos. Conhece uma atraente costureira, Molly (Celia Montgomery) que lhe ajuda a arrumar um apartamento que passará a dividir com um casal de lésbicas (“todo amor é igual diante dos olhos do Senhor”, diz em aprovação).

Molly cria um traje de super-herói com elastano, capa e sandálias. Ele toma as ruas de Manhattan, se autodenomina Ultrachrist e ganha o respeito dos pecadores e espaço na mídia. Com uma impagável referência ao “Exterminador do Futuro”, seu campo visual se assemelha a uma tela onde nos cantos aparecem as informações sobre qual mandamento o pecador está infringindo. “Autua” o pecador e o faz acreditar ser ele seu “salvador pessoal”.

Seu jeito nada ortodoxo de pregação (principalmente a roupa em elastano) desagrada seu Pai que envia para a Terra um anjo interventor. Do outro lado, o Diabo (encarnado na figura de um administrador público de parques e jardins em Nova York) se enfurece com toda a pregação de Cristo que lhe atrapalha os negócios com o tráfico de cocaína: o número de viciados diminui e as vendas nos parques da cidade entram em colapso. O Diabo tem um plano: convoca para derrotar Ultrachrist os “maiores pecadores da História”: o romeno Vlad - o Empalador, Hitler, o ex-presidente Richard Nixon e... Jim Morrinson do The Doors, morto de overdose em 1971.

Cristo acaba fazendo um acordo com o seu Pai. Se ele conseguir converter metade da juventude do mundo em três dias, então poderá continuar a pregar a Palavra como Ultrachrist. Decide que a melhor forma de divulgar a sua pregação em larga escala é através de um show beneficente no Central Park.

Portanto, Cristo está entre dois regimes de poder: o de Deus com uma personalidade tal como a demonstrada no Velho Testamento – punidor e intolerante e, do outro, o Diabo controlando um regime de poder baseado na sedução e prazer.

Cristo: entre a sedução e o medo


Com heresia descarada e uma atmosfera de humor propositalmente trash (filmado em DV) e Jesus Cristo com um caricato sotaque judaico, essa comédia independente mostra um Salvador que não vem salvar a Humanidade. Cristo quer que o aceitem como um “salvador pessoal”. Tática de marketing aprendida logo no início do filme que é tão repercutida pelo marketing evangélico atual: Cristo salva não a humanidade, mas você! O discurso sai das abstrações teológicas para encontrar o pecador concreto, individual. O filme consegue ironicamente apresentar esse primeiro elemento da autodivinização da religião não só americana, mas midiática: a crença em um salvador pessoal, a oração como um canal íntimo de comunicação com Deus e a salvação através de uma ética individualista.

Mas Jesus/Ultrachrist não está satisfeito. Percebe que na verdade os pecadores não estão realmente arrependidos, mas temerosos de irem para o inferno. Deixam de pecar não por virtude, mas por medo. Percebe que está apenas reproduzindo o regime do medo instituído por Deus, seu Pai, no céu.

O filme insere na narrativa essa heresia gnóstica ao apresentar Cristo como uma divindade que começa a ter simpatia pela espécie humana enquanto vê o próprio pai como um Demiurgo que sustenta uma pesada e injusta estrutura hierárquica de dominação e controle.

Como, então, buscar no homem uma ligação com a Divindade através unicamente da virtude? Nesse ponto “Ultrachrist!” aborda o segundo elemento, e mais sério, da auto-divinização: buscar no interior do próprio homem a Divindade. Cristo verá no show final no Central Park a chance de pregar a sua gnóstica verdade:  a propriedade da cura através do amor e do próprio sexo: que devemos desfrutar do corpo que Deus nos deu. 

Cristo tem esse insight em uma hilariante luta contra Jim Morrinson em um bordel e decide que o sexo é sagrado, pois Deus deu o corpo “ao homem, à mulher, à dominadora e nossas lésbicas”.

Gnosticismo na subliteratura de massas


Por trás do espírito trash e anárquico da comédia, “Ultrachrist!” se inspira nesse espírito do submundo místico-esotérico-religioso dessa subliteratura da cultura de massas do século XX. O Gnosticismo pode estar morto como religião, mas permanece vivo e impactando trabalhos que vão desde a grande literatura (William Blake, Melville, Kafka etc.) até a subliteratura dos estranhos contos de horror e sfi fi das pulp fictions do século XX. E, em muitos momentos, chegando até o mainstream hollywoodiano como nos filmes “Show de Truman” e “Matrix”.

Como sempre persiste tenazmente a crença central de que o Universo é uma vasta prisão e de que a Terra é a masmorra mais interna. O Universo foi criado por um Demiurgo e gerido por Acontes que mantêm as pessoas em estado de sono e ignorância. Cada pessoa tem, dentro de si, um pedaço (ou faísca) do Verdadeiro Deus e mantido refém na prisão gnóstica. O objetivo do Gnosticismo e do messias gnóstico é libertar as pessoas ao ajudá-las a transcender o mundo-como-prisão, para acordar e frustrar os Arcontes através do conhecimento (em grego: “gnosis”) de que a centelha original é o verdadeiro Deus do qual ele faz parte. O Deus verdadeiro é completamente estranho e separado do Universo, que ele nem criou e nem governa.  

É desse conjunto de narrativas míticas heréticas e underground que se inspirou (provavelmente de forma arquetípica) o diretor e roteirista Kerry Douglas  Dye ao mostrar o Cristo como um super-herói que trás a mensagem da autodivinização: encontre o Sagrado no seu próprio corpo, no sexo! (mensagem ambígua que pode conduzir ao niilismo e agnosticismo).

Mas, no conjunto da narrativa, o filme “Ultrachrist!”, sob as camadas do trash e non-sense, repercute mais uma vez o misticismo gnóstico de salvadores e homens desafiando estruturas arbitrárias que criam formas de dominação e controle, seja pelo medo ou pela sedução.

Ficha Técnica

  • Título: Ultrachrist!
  • Diretor: Kerry Douglas Dye
  • Roteiro: Kerry Douglas Dye e Jordan Hoffman
  • Elenco: Jonathan C. Green, Celia Montgomery, Samuel Bruce Campbell
  • Produção: LeisureSuit Media
  • Distrubuição: Ecletic DVD
  • País: EUA
  • Ano: 2003

Postagens Relacionadas

2 comentários:

  1. Excelente blog. tem sido uma leitura obrigatória para mim. Mas o link para o artigo sobre góticos e darks está off ou o artigo não está mais lá.

    ResponderExcluir
  2. Assisti esse filme duas vezes ontem. Muito bom o post, uma boa leitura pós filme. Abraços!

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Bluehost Review