sábado, outubro 01, 2022

Depois do voto: Itamar Assumpção, um Trickster na ditadura; smartphones e Walter Benjamin e apuração dos votos comentada


Depois do transe eleitoral, nada melhor do que participar da Live Cinegnose 360 para ver no que deu. Na edição #75, nesse domingo (02/10), às 18h, no YouTube, vamos acompanhar e comentar ao vivo as apurações. Mas antes, na sessão híbrida CD/Vinil, vamos conversar sobre Itamar Assumpção é a Vanguarda Paulista: Nego Dito, um Trickster no final da ditadura militar. Depois, vamos analisar o filme “A Mulher Rei” (a “Smoking Gun” da Era Joe Biden) e o sci-fi brasileiro “Branco Sai, Preto Fica” (eterno retorno e hipo-utopia na realidade brasileira). Mas também precisamos falar de smartphones: o que Charles Baudelarie e Walter Benjamin diriam desses dispositivos. E a crítica midiática da semana: o fascismo na Itália que Fernando Gabeira e os EUA adoram; a “bala de prata” do debate na Globo e... vamos acompanhar e comentar as apurações! Este humilde blogueiro espera os cinegnósticos nesse domingo.

sexta-feira, setembro 30, 2022

Debate da Globo tenta abduzir Lula e dar pernas à terceira via para forçar segundo turno


Não é por menos que sempre o último debate antes da eleição ocorre na maior emissora do País, a Globo – emissora com maior audiência, é sempre a janela de oportunidade para a “bala de prata”: a criação de um acontecimento que controle o cenário eleitoral, seja com um freio ou um contrapeso. Pela primeira vez a “Terceira Via” atuou em casa, ou seja, na emissora que a criou e deu pernas. Para gerar o contrapeso que impeça a vitória de Lula no primeiro turno. Aquilo que foi esboçado no debate da Band, na Globo foi colocado exponencialmente em prática: abduzir Lula para o ciclo vicioso de ataques e pedidos de resposta, enquanto Tebet, Soraya e D’Ávila olhavam para a câmera, balançando a cabeça e se queixando da “polarização” que impede “propostas”. Além do chefe do Executivo poder contar com um alter ego, o simulacro de padre chamado “Kelmon”, fazendo o trabalho “hard” para Bolsonaro poder falar mais mansinho. Para a Globo, ficou um farto material para uma possível edição “matadora” às vésperas da eleição.

quinta-feira, setembro 29, 2022

O smartphone matou a experiência urbana do flâneur


Já se tornou um lugar-comum na paisagem urbana: pessoas caminhando, sentadas em pontos de ônibus ou em terraços de café ou bares com as costas curvadas, cabeça inclinada e olhares fixos para a tela do smartphone. As nossas vidas nas bolhas das redes sociais e nos aplicativos de mensagens instantâneas nos obriga a olhar para baixo, blindando-nos de “felizes acidentes”, o acaso, o espanto, insight, a experiência do sublime ou mesmo inspiração poética no espaço real das ruas e parques. Em síntese, a experiência urbana do flâneur, tão enaltecida tanto por Charles Baudelaire quanto pelo filósofo Walter Benjamin como o personagem que fazia ponto crítico ao capitalismo, por estar no contrafluxo, resistindo à disciplina. Mas o capitalismo não pode tolerar tempo e espaço livres. A indústria cultural foi o primeiro passo para a disciplina do tempo livre. Depois, inventaram o smartphone.

quarta-feira, setembro 28, 2022

Filme 'A Mulher Rei' é a 'smoking gun' da Era Joe Biden


Sempre soubemos que Hollywood é o braço ideológico do império americano. Principalmente quando suas produções entram no terreno da História: começam a torcer os fatos para que se transformem em contos morais que justifiquem as agendas políticas do presente. O filme “A Mulher Rei” (The Woman King, 2022) é o mais novo exemplo, mas com uma torção histórica tão exagerada que virou a verdadeira “smoking gun” (objeto ou fato que serve como prova conclusiva de um crime) da propaganda política da Era Joe Biden – que acabou gerando um crescente movimento de boicote ao filme nos EUA: “#BoycottWomanKing”. O filme transforma o Reino de Daomé e seu exército de amazonas “Agojies” em um libelo do empoderamento feminino e da luta racial (historicamente, a violenta economia de Daomé era baseada na captura e comercialização de escravos para o tráfico europeu). “A Mulher Rei” é uma peça de propaganda dos chamados “Novos Democratas”, cujo apoio aos movimentos identitários serve para “colorir” a geopolítica do “Big Stick” ("Grande Porrete"), vigente desde a Era Roosevelt. 

sábado, setembro 24, 2022

Nesse domingo, The Doors e PsyOp hippie, Las Vegas, Rosswell e crítica midiática: o custo semiótico da vitória de Lula


Faltando uma semana para o fim, quer dizer... as eleições, a Live Cinegnose 360 #74 desse domingo (25/09), às 18h, no YouTube, vai ter vinis, filmes, o incidente de Rosswell, Las Vegas, Gnosticismo e... Crítica Midiática. Na sessão clássica dos vinis, The Doors: será que Jim Morrison foi a “laranja mecânica” da PsyOp dos hippies? Depois, os filmes “Rubikon” (a hipo-utopia de um planeta totalmente privatizado) e “Land of Dreams” (o olhar lynchiano para o sonho americano de uma dupla de cineastas iranianos). E aprofundando o tema de “Land of Dreams”, vamos mergulhar nos arquétipos contemporâneos irradiados para o mundo pelos EUA, iniciados por três eventos seminais no Deserto de Nevada: Las Vegas, a bomba atômica e Rosswell. Na crítica midiática: grande mídia passa pano no voto de cabresto corporativo em Itapecerica da Serra/SP; Steven Levitsky no Roda Viva; grande mídia aceitará vitória de Lula, mas com alto custo semiótico; o caso Ciro Gomes e a estratégia alt-right de comunicação... e outras bombinhas semióticas. É tudo nesse domingo! 

Grande mídia quer aceitar vitória de Lula com custo semiótico o mais alto possível


Diante de uma bancada de “isentões” que acreditam estar vivendo num processo eleitoral absolutamente normal, no “Roda Viva” da TV Cultura, o cientista político Steven Levitsky, autor do livro “Como as Democracias Morrem”, pediu que os brasileiros “acordem”. Para evitar uma crise, seria necessário “uma oposição massiva e uma vitória no primeiro turno”. O oposto da atual estratégia do jornalismo corporativo: dentro do script da “normalidade” que executa, agora os “colonistas” defendem um “debate transparente com propostas”. Falam que a polarização está impedindo um “debate com propostas” e numa vinheta os apresentadores do JN aparecem folheando as páginas da Constituição. Jogo de cena para dar pernas à “terceira via” e arrastar a eleição para o segundo turno. No qual será cobrado um custo semiótico o mais alto possível à vitória de Lula.

sexta-feira, setembro 23, 2022

A hipo-utopia de 'Rubikon': o futuro já está entre nós


Hipo-utopia: diferentes das distopias que imaginam mundos futuros totalitários com tecnologias e sociedades tão inéditas que se diferem das atuais, nas hipo-utopias vemos as tendências e mazelas atuais projetadas no futuro de forma hiperbólica. É o caso do filme austríaco “Rubikon” (2022) no qual vemos um futuro que é uma versão degradada e perversa do mundo que conhecemos. Em 2056 países e governos foram extintos, e cada região da Terra foi tomado e dividido entre corporações gigantes, cada qual com seu exército. Ricos escapam de uma atmosfera terrestre que virou tóxica enquanto a maioria luta para não morrer. Em uma estação espacial privada na órbita terrestre cientistas cultivam algas que produzem oxigênio. Dilema moral: entregam a descoberta para a empresa e salvam uma sociedade perversa ou assistem de camarote a erradicação da raça humana da superfície terrestre.  

quarta-feira, setembro 21, 2022

Filme 'Land of Dreams': qual foi seu último sonho?


Os EUA irradiaram para todo o planeta uma autoimagem que mistura realidade e ficção, a tal ponto que a ilusão parece sempre preceder a realidade. Só um estrangeiro para entender a dinâmica onírica dessa nação. Ou melhor, dois estrangeiros: a dupla de cineastas iranianos Shirin Neshat e Shoja Azari, que dirigiu e adaptou um roteiro de Jean-Claude Carrière, colaborador de longa data de Luis Buñuel. É o filme “Land of Dreams” (2021) que acompanha uma recenseadora do US Census Bureau que faz uma pergunta inusitada aos entrevistados: qual foi seu último sonho? Além de querer entender o porquê de o Estado Profundo estar tão interessado em colecionar os sonhos dos cidadãos, o filme faz um mergulho no imaginário dos EUA. "Land of Dreams" não esconde suas intenções políticas: mostrar um país construído por imigrantes que se tornaram invisíveis

domingo, setembro 18, 2022

Live Cinegnose: Mamonas Assassinas e o Plano Real, como combater fake news e crítica midiática da semana


Depois de uma semana inteira de propaganda política e bombas semióticas explodindo por aí, venha fazer um detox mental na Live Cinegnose 360 #73, nesse domingo (18/09), às 18h, no YouTube. Nesse domingo, mais uma sessão híbrida vinil/CD com o fenômeno brasileiro “Mamonas Assassinas”: a Teoria da Classe Ociosa de Thorstein Veblen e a MPB no auge do Plano Real. Vamos também discutir os filmes “A Garota Ideal” (Pets, boneca sexual inflável e multidão solitária) e “O Preço do Amanhã” (controle do Tempo é poder). Depois, vamos terminar a série sobre a classe média, estudando o seu papel na guerra híbrida brasileira. Na crítica midiática: a inutilidade do combate contra fake news ao confundir informação e comunicação; Por que as pesquisas eleitorais estão apresentando resultados tão divergentes? A bomba semiótica da violência e do medo na política; o “match” da grande mídia com Bolsonaro na propaganda política; Bolsonaro e TV Globo: “eu sei o que vocês fizeram no verão passado”; o “apito de cachorro” no caso da jornalista Vera Magalhães.  

sábado, setembro 17, 2022

Mito da informação e fake news: como grande mídia confunde comunicação com informação


Agências de checagem, projetos de educação midiática em escolas públicas da periferia e nos grupos de WhatsApp, além da cada vez maior judicialização da política. Tudo apoiado pela grande mídia que acredita que o único antídoto para fake news é a informação. Pudera! É o produto que ela vende. E seu marketing é o mito da informação: a ingênua crença propagada para o distinto público de que a informação verdadeira é a única forma para combater a mentira. Do ponto de vista da ciência da Comunicação é um esforço inútil, porque há um mal-entendido conceitual: confundir os conceitos de sinalização, informação e comunicação. Fake news são fenômenos comunicacionais, enquanto as metodologias de checagem e apuração estão no campo da informação. Como combater um acontecimento comunicacional com informação? Como enfrentar um acontecimento a priori com uma informação a posteriori? Com o mito da informação grande mídia quer ocultar a causa de todas as fake news: a privatização da esfera pública. 

quinta-feira, setembro 15, 2022

'O Preço do Amanhã': a imortalidade de poucos implica na mortalidade de muitos


Sempre ouvimos falar que Tempo é dinheiro. Com a financeirização do capital e a crescente utilização do dinheiro eletrônico e digital no lugar do papel-moeda, esse provérbio torna-se cada vez mais metafórico: não se trata mais tanto de dinheiro, mas da logística do Tempo – quanto mais rápido, maior oportunidade de lucros no cassino global em que se transformou o Capitalismo. Mas ainda temos que manipular signos do dinheiro (títulos, ações etc.). Mas, e se o próprio Tempo em si virar uma moeda acumulável e estocável? Esse é o intrigante argumento de “O Preço do Amanhã” (In Time, 2011), num futuro em que a imortalidade de poucos implica na mortalidade de muitos: uma elite consegue estocar séculos de Tempo, tornando-se virtualmente imortal, enquanto a maioria corre da morte (contada retroativamente num relógio subcutâneo), lutando para ganhar Tempo, seja através do salário, doações ou empréstimos. Nova forma de Capitalismo em que o Tempo vira moeda de especulação, reprodução da desigualdade e controle populacional.

quarta-feira, setembro 14, 2022

Boneca sexual, multidão solitária e alienação no filme 'A Garota Ideal'



Um filme que tinha tudo para dar errado pelo seu argumento: um homem solitário, incapaz de se relacionar com a própria família e conhecidos no trabalho, compra através da Internet uma boneca sexual de látex em tamanho natural. Ela se chama Bianca e, orgulhoso, apresenta a todos como sua “namorada”. O que poderia virar um conjunto de piadas grosseiras se transformou em um filme inteligente, reflexivo e tocante. Ele usa Bianca como uma espécie de alter-ego terapêutico para seus traumas familiares e uma forma de conseguir aprovação social.  O filme “A Garota Ideal” (“Lars and the Real Girl”, 2007) expressa o fenômeno psicológico comum numa sociedade de multidões solitárias: de animais de estimação aos gadgets promovidos pela sociedade de consumo, nos alienamos de nós mesmos para nos projetarmos em pets e objetos em busca de gratificação e aprovação do mundo externo.

sábado, setembro 10, 2022

Detox do domingo: Jungle Music, o gnóstico 'Liquid Sky', o gato no telhado do Brasil e pânico semiótico da mídia


Depois do Sete de Setembro, nada melhor do que fazer um detox na Live Cinegnose 360 #72, nesse domingo (11/09), às 18h, no YouTube. Para esquentar, uma seção híbrida CD/vinil com jungle music de Shy-FX e Uk Apache: luta de classes, racismo e gentrificação musical. Depois, vamos discutir os filmes “O Grande Hotel Budapeste” (o estranho imaginário dos hotéis no cinema) e “Liquid Sky” (mitologia gnóstica pop de sexo, drogas e euforia). Em seguida, vamos continuar dissecando o imaginário da classe média, agora no cinema e audiovisual. Na crítica midiática da semana, filme “No” e a derrota da esquerda no plebiscito chileno: o gato subiu no telhado? O Sete de Setembro e a estratégia de apropriação semiótica alt-right; a morte da Rainha Elizabeth e o pânico semiótico do jornalismo corporativo e mais... é o detox mental de todo domingo!

Morte da rainha evita pânico semiótico do jornalismo corporativo


“Saída pela direita!”, dizia o Leão da Montanha naquele velho desenho animado da Hanna-Barbera. Parece que o espírito do felino animado possuiu o jornalismo corporativo que viu na morte da Rainha Elizabeth II a saída mais rápida do pânico semiótico após o Sete de Setembro protagonizado por Bolsonaro: o forçoso desgaste do malabarismo semiótico que teria que despender - como normalizar, neutralizar e diluir os crimes eleitorais em série que o chefe do Executivo cometeu no suposto desfile cívico militar? Como, mais uma vez, executar o script da normalidade e dizer que “as instituições estão funcionando”? Saindo rapidamente pela direita, jornalistas e “colonistas” mergulharam no infotenimento + viralatismo para deixar tudo esfriar. Porém, criou a prova do pudim para si mesma: como mostrar ao vivo as psyOps de Bolsonaro para depois dizer ser contra? Como defender pautas identitárias sem disfarçar o fascínio por uma monarquia colonialista, racista e genocida?

sexta-feira, setembro 09, 2022

'O Grande Hotel Budapeste': lapsos de civilização no matadouro que conhecemos como humanidade


No cinema, o imaginário em tornos dos hotéis os torna intrinsecamente estranhos. De Norman Bates em “Psicose” a Jack Torrance de “O Iluminado”, esse imaginário parece traduzir uma ambiguidade desse serviço entre o turismo e os negócios: são lugares transitórios, mas também um lugar que, por um tempo, podemos chamar de lar. Wes Anderson brinca com esse imaginário em “O Grande Hotel Budapeste” (2014): um hotel decrépito entre as montanhas, mas que teve seus tempos aristocráticos de opulência. Com sua linguagem irônica e cenas densamente compostas, com aventuras que mais lembram as HQs de “Tintim”, Wes Anderson nos conta um tema sério e sombrio: como a guerra total nazista destruiu uma bela e frágil civilização da Europa Central, trazendo uma modernidade que alterou drasticamente os hotéis e o turismo – de “lapsos de civilização no matadouro bárbaro que conhecemos como humanidade” a filiais padronizadas e despersonalizadas de grandes cartéis internacionais de turismo.

quarta-feira, setembro 07, 2022

Filme 'No' e derrota da esquerda no plebiscito chileno: será que o gato subiu no telhado?


A direita ganhou no plebiscito que recusou a nova constituição para o Chile. Quer entender o porquê? Então assista ou reveja o filme “No” (2012) – indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2013. Um filme sobre outro plebiscito chileno, trinta e quatro anos atrás, no qual o país decidiria se o General Augusto Pinochet permaneceria mais nove anos no poder, estendendo a ditadura militar. Um filme sobre a campanha de propaganda do “Não” que enfrentou vitoriosamente a campanha de desinformação do “Sim”, mostrando que o “hype” das fake news não é nenhuma novidade. Porém, o que torna as estratégias nas redes digitais mais letais do que a propaganda política do passado é sua contaminação semiótica de natureza metonímica, exponencial, em tempo real – muito além da velocidade processual da Justiça e das legislações. Às vésperas das eleições brasileiras, a esquerda deve se precaver: será que o gato está subindo no telhado? 

segunda-feira, setembro 05, 2022

O lado oculto do universo de Sandman, por Andreas Dao


"Sandman", a aclamada obra-prima em quadrinhos do genial escritor e roteirista Neil Gaiman, finalmente ganhou sua versão live action pela plataforma de streaming Netflix. Como admirador da obra me sinto honrado em poder escrever este artigo para os leitores do blog Cinegnose! Nas próximas linhas vamos entrar no universo de Sandman, analisando alguns aspectos ocultos da obra num contexto não linear, abrangendo diferentes campos do saber (Xamanismo, Hinduísmo, Budismo, Cabala, Psicanálise etc.) e como não poderia deixar de ser, o tema principal serão os sonhos!

sábado, setembro 03, 2022

No discurso midiático da polarização, a vítima também é culpada por "polarizar"


Diante da adversidade de ver Lula livre dos cárceres da PF de Curitiba, a grande mídia rapidamente buscou uma mais-valia semiótica: criou o discurso da “polarização” – Lula livre faria crescer a “radicalização”, atrapalhando as “reformas” que fariam a economia “crescer”. O discurso da polarização criou toda a mitologia da “terceira via”: o bom-senso, o nem-nem, e toda uma associação de ideias que desmoraliza a política e a militância, enaltecendo o “suprapartidário” e o “ativismo social”. Nesse ano eleitoral, o discurso da polarização ganha novos sentidos estratégicos: empoderar a terceira via para forçar um segundo turno (no qual o consórcio PMiG e grande mídia apontarão seus tradicionais canhões semióticos) e reforçar a pedagogia do medo ao associar a violência política com a polarização – na qual a própria vítima é também culpada por “polarizar”. E mantendo as ruas vazias e as esquerdas presas ao jogo da judicialização. 

Venha polarizar no domingo! Banda 801, fantasmas da classe média, mídia ataca com 'nem-nem', um Taxi Driver na Argentina?


Para a grande mídia, “polarização” é a raiz de todos os males. Mas nesse domingo (04/09), às 18h, no YouTube, a Live Cinegnose 360, na edição #71, vai polarizar. Depois dos comentários aleatórios, na sessão dos vinis do humilde blogueiro, vamos falar de um obscuro experimento musical dos anos 1970: a banda 801 – banda-conceito e psico-história. Depois, vamos discutir os filmes “Não! Não Olhe!” (a monetização do horror cósmico) e “Freeway” (Chapeuzinho Vermelho nos anos 1990 se reencontra com suas origens). Em seguida, vamos fazer um inventário dos fantasmas e do imaginário da classe média como paiol da guerra híbrida. E na crítica midiática da semana: uma análise semiótica do debate na Band; a crítica da polarização e a mitologia midiática do “nem-nem”; o quase assassino de Cristina Kirchner: entre “Taxi Driver” e papagaio de pirata das TVs; jornalismo metonímico entra em ação para turbinar Bolsonaro... e dessa vez vai: Conversas Aleatórias com os cinegnósticos. Venha polarizar também nesse domingo! 

Na segunda-feira, no YouTube, o leitor encontra a Live Cinegnose 360 #71 com minutagem, bibliografia e discografia. 



sexta-feira, setembro 02, 2022

'Freeway': Chapeuzinho Vermelho cai nos anos 1990. E descobre que os lobos são mais malvados



Desde que o conto de Chapeuzinho Vermelho chegou na Europa em 1697, passou por um longo processo de depuração. Até os Irmãos Grimm tirarem todo o sangue e canibalismo da versão original. E Disney transformar em entretenimento moral. Porém, na década de 1990 Chapeuzinho descobriu que os lobos são maiores e mais malvados. Lenhadores não irão salvá-la e a heroína precisará de muito mais recursos. Essa é a premissa do filme “Freeway – Sem Saída” (1996) um filme que, à época, passou sem o devido impacto. Porém, envelheceu bem, virando um cult. Principalmente pela performance selvagem de Reese Witherspoon e Kiefer Sutherland. Uma “white crap” foge dos pais delinquentes e da assistente social e viaja para a casa da avó. Mas no caminho, está a sua espera um pedófilo e assassino em série. Um mix enlouquecido de Chapeuzinho Vermelho, David Lynch e Tarantino. 

quarta-feira, agosto 31, 2022

'Não! Não Olhe!': resta algo na galáxia que não possa ser explorado como entretenimento?



Em “Não! Não Olhe!” (Nope, 2022) Jordan Peele abandona o terror racial de “Corra” e “Nós” para ingressar no terreno híbrido sci-fi, terror e muita metalinguagem e alusões ao cinema e cultura pop. Aproximando-se da crítica social de “Não Olhe Para Cima”. Algo ameaçador está vindo do céu sobre um rancho que fornece cavalos para produções de cinema e TV. A primeira reação dos protagonistas não é a de lidar com o horror cósmico, mas encontrar uma maneira de monetizar o estranho fenômeno. Numa cultura na qual Tik Tok, YouTube e canais de notícias 24 horas subliminarmente oferecem diante dos nossos olhos a promessa de fama da noite para o dia, como seria possível a expressão do horror cósmico com toda a sua intensidade numa cultura com tantas camadas semióticas nos separando da realidade?

segunda-feira, agosto 29, 2022

Terceira Via, "botão eject" e mais-valia semiótica no debate da Band


Para a grande mídia a senadora Simone Tebet foi a vencedora. Lula teve um “apagão”. E Bolsonaro fez um “ataque misógino”, ironicamente contra um notório desafeto de Lula, a jornalista Vera Magalhães. Somada à mais-valia semiótica de um estúdio que parecia alguma coisa entre o filme Tron e o Metaverso de Mark Zuckerberg, a fórmula de debate engessada, fragmentada e um intervalo publicitário ideologicamente maroto, o script era esse: Lula e Bolsonaro, os dois lados da mesma velha moeda, contra uma “Terceira Via” tão “moderna” quanto o cenário: digital e empreendedora. Lula não caiu na armadilha e ficou na retranca. Enquanto Bolsonaro conseguiu o que pretendia: criar um escândalo no campo simbólico em que fica mais confortável e engaja a base eleitoral: a guerra cultural e de costumes. Como em 2018, grande mídia ainda procura a alternativa “perfumada e limpinha”. E, de novo, Bolsonaro é o “botão eject”. 

Primeira coisa que chamou a atenção no debate da Band (organizado pelo grupo Bandeirantes, Folha de São Paulo, Uol e TV Cultura) desse domingo foi o inacreditável cenário para um debate entre candidatos em uma eleição. O que era aquilo? Políticos perdidos no interior do hardware do filme Tron? Será que seria realizada alguma palestra do TED? Um debate entre aceleradores de startups tecnológicas? Uma homenagem a Zuckerberg e o Metaverso? Ou seria um show da banda “Kraftwerk”?

Isso não é uma mera observação estética. Há uma mais-valia semiótica nesse enorme cenário que mais parecia um nowhere digital com os candidatos perdidos dentro dele. Parece que o processo de semiose (processo de significação capaz de gerar uma cadeia de signos partindo de uma premissa a partir da qual criam relações recíprocas entre significados) ou da cadeia de associações de ideias sugerida era essa: quarta revolução industrial, revolução digital, empreendedorismo, enfim, um wishifull thinking de um suposto Brasil do futuro.

Não por acaso no intervalo publicitário, um vídeo do Sebrae especialmente produzido exortava eleitores a apoiarem candidatos favoráveis ao empreendedorismo. Confortavelmente ao lado de uma também inacreditável peça publicitária da Havan, mostrando Luciano Hang motivando seus funcionários a defenderem a Pátria – para os entendedores, o próprio candidato Bolsonaro.

E pior. Em algumas afiliadas regionais da Band, a inserção de publicidade de Clubes de Atiradores – clique aqui.



Também não por acaso, a “Terceira Via” estava ali representada: Soraya Thronicke (a senadora candidata do União Brasil que disse que vira onça, como a Juma Marruá da novela “Pantanal”, para defender o Imposto único), a senadora Simone Tebet (ainda surfando na CPI da Covid) e o anarcocapitalista candidato do Partido Novo, Felipe “Quero Privatizar Tudo” D’Ávila. Todos falando bastante sobre empreendedorismo, privatização e “economia digital”. Para se contrapor ao “mofo” dos “economistas do PT”, como frisou a candidata-onça.

Pelo menos para esse humilde blogueiro ficou óbvio que a fórmula engessada do debate foi especialmente preparada trazer a Terceira Via para a ribalta – uma ribalta “moderna”, “high tech”, para se contrapor à “velha política polarizada” de Bolsonaro e Lula. 

A fórmula: a ginástica das constantes trocas de âncoras e entrevistadores, uma estranha “sala digital” do Google que checava os assuntos mais acessados pelos internautas/telespectadores – o tema “corrupção” teria sido o mais acessado. As pesquisas qualitativas durante e logo depois do debate disseram o contrário: os principais temas que chamaram a atenção foram emprego, economia e saúde. 



A “sala digital” nada mais foi do que um loop tautista (tautologia + autismo midiático): retroalimentava aquilo que própria fórmula do debate induzia.

Por isso, para a grande mídia, a grande vitoriosa teria sido a senadora Simone Tebet. É a única maneira da Terceira Via que pontua quase zero nas pesquisas ser turbinada: em uma fórmula de debate fragmentado, na qual os bordões (“a salvação do país é acabar com o Estado”, Felipe D’Ávila), fórmulas mágicas (o “Imposto Único”, Soraya Thronicke) surgem dentro de uma dinâmica maluca na qual quem não tem propostas promete tudo e quem tem proposta é obrigado a se conter pelo tempo exíguo – acrescenta-se ainda o tempo tomado por vinhetas, “sala digital”, autopromoções da Band, intervalo publicitário com vídeos que pareciam pontuar aquilo que alguns candidatos diziam no debate etc.

Jogar na retranca

Lula e seus assessores pareciam conscientes dessas limitações. O que muitos analistas consideraram como “derrota” e “mau desempenho” (comparando com a entrevista no JN) de Lula, na verdade foi uma tática de retranca, para não cair na armadilha óbvia: tornar Lula e Bolsonaro como os dois lados de uma mesma velha moeda, contrastando com o “novo” e o “moderno” (lembram do cenário estilo Tron?) representado pela “Terceira Via” com suas soluções mágicas privato-empreendedoras-fiscais.

Bolsonaro bem que tentou: provocou Lula com acusações de corrupção. Claro, esperando de Lula um contra-ataque do tipo “mas no seu governo tem mais”. Lula apenas recuou e listou todas as medidas adotadas em seu governo para facilitar investigações e transparência.


Tron? Kraftwerk? Metaverso?


Uma sabatina como a do JN e um debate engessado com franco-atiradores dispostos a tudo para serem notados como esse da Band são modelos incomparáveis – numa fórmula como a que vimos no domingo, candidatos na dianteira das pesquisas somente têm a perder.

Um modelo de debate que parece esvaziar o próprio evento em si. O debate da Band apenas serviu para fornecer um material bruto para posteriormente ser recortado, editado e ser transformado em clips para serem repercutidos nas redes sociais, como se cada “lacração”, “invertida” ou “jantada” fosse uma bala de prata eleitoral decisiva.

Guerra cultural

Enquanto isso, Ciro Gomes, preocupado em ser uma metralhadora giratória voltada contra Lula e Bolsonaro, perdeu uma grande oportunidade. Mesmo depois de ter respondido na bucha contra bordão do “vou-privatizar-sua-alma-à-meia-noite” Felipe D’Ávila: “o Brasil gasta valores de primeiro mundo na educação e entrega uma educação de terceiro mundo”.

Bolsonaro atacou a jornalista da TV Cultura quando a repórter abordou a importância da vacinação no País ao candidato Ciro Gomes (PDT) e criticou a postura de Bolsonaro no combate à pandemia. Após a resposta de Ciro, Bolsonaro começou uma série de ataques: “Vera, não podia esperar outra coisa de você, você dorme pensando em mim. Você é uma vergonha para o jornalismo brasileiro. Já está apelando", afirmou. Ele ainda a agradeceu, ironicamente, a oportunidade de falar "algumas verdades" sobre ela.



Ciro Gomes limitou-se a gargalhar e abanar a cabeça...

Porém, todo esse esforço da grande mídia (em particular esse da Band inserir os candidatos em uma semiose high tech) para encontrar uma opção mais “perfumada e limpinha” para fazer o serviço sujo neoliberal e anarcocapitalista, sempre deve ter um botão “eject”, no caso de dar tudo errado.

E, mais uma vez, esse botão chama-se Bolsonaro. Ao lado da comemoração do desempenho de Simone Tebet, a grande mídia repercutiu o ataque à Vera Magalhães – ironia: antipatia da jornalista por Lula é de conhecimento de todos.

Era tudo que Bolsonaro queria: toda a estratégia alt-right de comunicação precisa de telecatchs como esse. Principalmente quando volta as atenções da patuleia para o campo da guerra cultural e dos costumes. O campo simbólico no qual o chefe do Executivo mais se sente à vontade. Estratégia de prestidigitação para ocultar seu ponto fraco: a economia política.

 O que os “colonistas” do jornalismo corporativo denunciaram como “resposta lamentável”, “absurda”, “ataque misógino” (enquanto jornalistas e a Abraji divulgam as protocolares “notas de repúdio”), para Bolsonaro é nada mais do que um elogio: reforça simbolicamente a importância da guerra cultural e de costumes e serve de “apito de cachorro” para sua base ficar ainda mais engajada – somada a mais outro telecatch: a do ministro Alexandre de Moraes contra empresários bolsonaristas de Whatsapp.

Esse “botão eject” ficou ainda mais evidente no próprio intervalo publicitário cheio de más intenções semióticas: o véio da Havan exortando seus empregados aos valores patrióticos ao lado do Sebrae enaltecendo o maravilho mundo do empreendedorismo – onde a força de trabalho magicamente se converte em capital.

A contaminação metonímica é inevitável. 


Postagens Relacionadas

 

Entrevista de Lula no JN: Globo subliminarmente prepara o front 'se ganhar, não vai governar'

 

 

Entrevista do Jornal Nacional revela o domínio total de espectro da guerra híbrida

 

 

Eleições 2018 e 2020: Bolsonaro foi um 'candidato manchuriano'?

 

 

As guerras táticas da comunicação de Bolsonaro

 

 

domingo, agosto 28, 2022

Cat Stevens, modernidade líquida, viagem no tempo, nas entrelinhas das entrevistas do JN. É a Live de domingo


Tão espantado quanto o Kevin de “Esqueceram de Mim”, esse humilde blogueiro descobre que a Live cinegnose 360 chega na edição #70, nesse domingo (28/08), às 18h, no YouTube... E resistindo a todas as distopias. Depois dos comentários aleatórios, vamos abrir com os vinis de Cat Stevens e sua conversão ao Islamismo: a felicidade de estar triste. E também os filmes “Men” (a masculinidade tóxica na modernidade líquida) e “Efeito Flashback” (a angústia da geração millennial e a necessidade de filmes sobre viagem no tempo). E depois a derradeira edição do Pequeno Dicionário dos Eufemismos e Clichês Linguísticos da Grande Mídia. E a crítica midiática da semana: flagrante de manipulação da mídia OTAN na Ucrânia; Putin espera o “General Inverno” entrar em ação; Quais os objetivos da Globo na semana de entrevistas dos candidatos no Jornal Nacional?; Grande mídia faz chantagem econômica em ano eleitoral; Números do DataFolha: classe média e luta de classes. E conversas aleatórias no chat com os cinegnósticos. É nesse domingo!  

sábado, agosto 27, 2022

Entrevista de Lula no JN: Globo subliminarmente prepara o front 'se ganhar, não vai governar'


Lula foi impecável e vibrante. Mas para aqueles que ainda lembram do jornalismo de guerra da Globo, com seus “colonistas” e âncoras no modo “pitbull hidrófobo espumando de raiva” foi surpreendente o comportamento de Bonner e Renata Vasconcellos: uma espécie de fastio ou previsibilidade nas perguntas, como se estivessem fazendo um condensado ou “digest” de todos os clichês dos anos de guerra híbrida: corrupção, MST, Venezuela, Cuba... Na verdade, diante da ascensão irresistível de Lula, a Globo desistiu de confrontá-lo. A entrevista parece que serviu para um outro propósito subliminar: o reforço de pressupostos que servirão de munição para um hipotético segundo turno e além: “foi inocentado, mas não é inocente”; o presidencialismo de coalizão é intrinsecamente corrupto; polarização política inevitavelmente gera ódio e violência. Nas entrelinhas, a entrevista visou outra coisa: a desmoralização da Política. Para a grande mídia o front agora é outro: se ganhar, não vai governar!

Certamente os leitores devem lembrar da entrevista da então dupla de âncoras do Jornal Nacional, William Bonner e Fátima Bernardes, entrevistando Lula em 2006, no Palácio da Alvorada, em plena crise do mensalão. Foram 11 minutos que se transformaram numa discussão de Bonner com o presidente, batendo o bumbo apenas no tema corrupção. Discussão que no auge do conflito o âncora teve que ser sutilmente contido por Fátima Bernardes, interrompendo o ímpeto inquisidor do companheiro de telejornal – atiçado pelo Diretor de Jornalismo da emissora, Ali Kamel.

Como, também, não lembrar do indefectível croma key com aquele duto enferrujado jorrando dinheiro, que emoldurava cada vazamento seletivo dos procuradores da Lava Jato ao telejornal da Globo.

Mais ainda, uma edição inteira do Jornal Nacional em 2018 fazendo pressão pela prisão de Lula para sua imediata retirada da eleição presidencial – na oportunidade, Bolsonaro virou a única opção emergencial com o derretimento do candidato Alckmin, a primeira opção da grande mídia, da banca financeira e da Faria Lima.



Portanto, esperava-se que mais uma vez os poderosos canhões semióticos da Globo seriam apontados e disparados contra Lula na bancada do Jornal Nacional nesta quinta-feira. Todos os lados do espectro político estavam ansiosos por uma entrevista que poderia ser um ponto de viragem nesse tardio início de campanha eleitoral – aliás, por que, a cada eleição, as campanhas começam cada vez mais tarde e estão progressivamente mais “engessadas”?

O que se viu na quinta foi Lula relaxado, confiante, assumindo as rédeas da entrevista e criando espaços para demonstrar toda a sua experiência de governo quando presidente da República. Sua estratégia de demonstrar que era mais do que um candidato, mas um estadista, deu certo.

Mas o que realmente surpreendeu (partindo do Grupo Globo que foi uma das peças-chave em todo esforço na guerra híbrida brasileira em detonar diariamente bombas semióticas cujo resultado foi colocar as classes médias de verde e amarelo nas ruas empoderada pelo protofascismo do “Brasil profundo”) foi o tom preguiçoso e, até certo ponto, protocolar da dupla de âncoras do JN.


Entrevista do JN com Lula em 2006


Nada parecido com os anos de “colonistas” e apresentadores de telejornais que, atiçados pelo ponto eletrônico, pareciam pitbulls hidrófobos espumando de raiva. Pelo contrário, o percurso das perguntas foi previsível. Mais parecido como um grande condensado de todas as pautas anti-Lula dos anos de guerra semiótica, do Mensalão ao Petrolão da Lava Jato.

A entrevista

A entrevista começou com Bonner dizendo “o senhor não deve nada à Justiça, MAS vamos falar sobre corrupção”. A utilização da conjunção coordenada adversativa “mas” subliminarmente introduzia a principal tese de Merval Pereira e outros comensais da emissora: a de que Lula é foi inocentado, mas não é inocente. A ideia de que Lula não deve mais nada à Justiça graças a “tecnicalidades” ou “filigranas jurídicas”.

Este humilde blogueiro esperava que essa abertura da entrevista seria o ponto de partida de mais jogo pesado dos sabujos âncoras da casa, atiçados por Ali Kamel no ponto eletrônico.

Porém, o que se viu foi um previsível roteiro: diversas tentativas de cortar as falas de Lula para quebrar o raciocínio do entrevistado (modus operandi de entrevistas com “esquerdistas”), além dos temas “clássicos”: “E a Dilma, hein?”... “E a Venezuela, hein?”... “E Cuba, Hein?”... “E o MST, hein?”. Um previsível apanhado de todos os clichês que se esperaria para cercar Lula. Mas tudo o que ficou foi uma sensação de déjà vu.

Claro que as tentativas de corte de raciocínio deram erradas, devido ao rolo compressor discursivo do entrevistado – naquela noite, Lula estava particularmente inspirado.

Até ocorreram tímidas tentativas de trazer alguma novidade discursiva – temas que deveriam ser abordados com Bolsonaro, como orçamento secreto e intervenção na PF, foram jogados contra Lula.



 Agora sabemos que esses e mais outros temas como a corrupção de Michelle e dos filhos foram tirados da sabatina de segunda-feira num acordo com a Globo, como revelou o jornalista Ricardo Noblat: “"Nada de Fabrício Queiroz, rachadinha, mansão milionária de Flávio em Brasília, depósitos na conta de Michelle e coisas afins", escreveu Noblat. Afinal, Bolsonaro sabe dos dois calcanhares de Aquiles da emissora: a renovação da concessão da Globo ainda esse ano e o nome de Dario Messer (o “doleiro dos doleiros”, escrito na mão de Bolsonaro) que em delação afirmou que lavava dinheiro dos irmão Marinho, donos da Globo – clique aqui.

Jogo subliminar

Parece que o verdadeiro jogo da entrevista foi mais subliminar, o de reforçar certos pressupostos que servirão de munição, principalmente para um cada vez menos hipotético segundo turno ou mesmo vitória de Lula: 

(a) Insistiram com a pergunta “que lição o PT tirou?”, variação do “foi inocentado, mas não é inocente”;

(b) Lula será prisioneiro do grande mal do presidencialismo: o “toma-lá-da-cá”. Seu destino será repetir o mesmo jogo político de Bolsonaro com o Centrão.

(c) Ambos, Bolsonaro e Lula, são os dois lados da “polarização”, que gera ódio e violência – aliás, cobrado de Lula quanto à militância do seu partido. Como se a primeira vítima não fosse um quadro do PT, assassinado por um militante bolsonarista em Foz do Iguaçu.

Essa é a pedra de toque ideológico do jornalismo da Globo: a desmoralização da Política.


A pedra de toque ideológica: a Política é intrinsecamente corrupta


Lula foi hábil em, educadamente, mostrar para Renata Vasconcellos que isso não é “toma-lá-dá-cá”, é “usurpação do poder”: Bolsonaro não manda mais no País, mas sim Arthur Lira e seu orçamento secreto. Isso não é um mal inerente ao presidencialismo de coalizão, mas a oportunidade de Bolsonaro construir sua base de sustentação política às custas da renúncia do próprio poder Executivo – e acrescentaria, para a construção da base de sustentação do Partido Militar e o seu golpe militar híbrido cujo desfecho ocorreu em 2018.

Por que pedra de toque ideológica? Com a irresistível ascensão de Lula, a Globo desistiu de confrontar diretamente o líder petista, como fez em todos os anos de guerra híbrida. Agora, a questão é negar in totum a Política: o jogo político mostrado para a patuleia como irracional, viciado e intrinsecamente corrupto. Política é aquilo que atrapalha a racional gestão dos “mercados” (eufemismo para designar a banca financeira), afasta investidores estrangeiros e assim por diante.

Como os “colonistas” da casa martelam diariamente, ano eleitoral só atrapalha a Economia. Principalmente quando o País tenta a retomada econômica pós-pandemia – a “Pandemia”, o álibi para todos os crimes econômicos do anarcocapitalismo de Paulo Guedes.

Em suma: de um lado tivemos uma performance vibrante e impecável de Lula que soube aproveitar a oportunidade depois de anos de invisibilidade (pelo menos para o jornalismo corporativo); e do outro uma espécie de fastio ou preguiça de Bonner e Renata Vasconcellos, transformando o roteiro da entrevista em um condensado ou “digest” de todos os clichês de anos de jornalismo de guerra.

Agora o front é outro: se Lula ganhar, NÃO VAI GOVERNAR.

 

 

Postagens Relacionadas

 

Vai ter golpe? A História jamais será transmitida ao vivo pela TV

 

 

Após golpe militar híbrido, grande mídia executa script 'instituições estão funcionando'

 

 

PsyOp militar da pedagogia do medo e a 'Carta em Defesa da Democracia'

 

 

O golpe militar híbrido não foi televisionado

 

 

sexta-feira, agosto 26, 2022

Viagem no tempo e a angústia dos millennials no filme 'Efeito Flashback'


A Relatividade e a mecânica quântica alteraram radical nossa percepção tempo-espaço, ao ponto do tema da viagem no tempo se tornar um tema recorrente – o fascínio da “segunda chance” em que o passado poderia ser alterado. Mas nada como nesse século, em que o boom de produções sobre o tema reflete a angústia existencial da geração millennial: a angústia do crescimento, maturidade e a necessidade de fazer escolhas. “Efeito Flashback” (2020) é um bom exemplo: um jovem analista de informações que renunciou ao desejo de se tornar um artista visual encontra casualmente um antigo amigo do ensino médio. Um encontro que traz do passado memórias esquecidas que retornam como um flashback. Na verdade, o efeito de uma droga misteriosa da época que permitia escapar do espaço-tempo linear e experimentar vidas alternativas. Passado e presente se misturam em loop e deslocamentos, sem o usuário ter em que se apegar. O que traz a questão central desse boom sobre viagens no tempo: e SE eu tivesse feito outra escolha? Como seria a minha vida?

Tecnologia do Blogger.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Bluehost Review