sexta-feira, julho 12, 2024

Nesse sábado: 'Human League', pós-punk e social-democracia; Biden e uma nação demente; e se Bolsonaro não for preso?


Se Biden está com sérios problemas cognitivos, quem governou a “maior democracia do mundo” nos últimos quatro anos? Biden trocando nomes significa que “o rei está nu”? Esse e outros temas discutiremos excepcionalmente nesse SÁBADO (13/07), às 17h, no YouTube e Facebook. Começando com a banda Human League: o pós-punk e a social-democracia. Depois, dois filmes: “Eu Me Importo” (como roubar com muita empatia e solidariedade) e o clássico “O Segundo Rosto” (revisitando a paranoia gnóstica). Na sessão dos livros, o gnosticismo de Walter Benjamin e T. Adorno. E na Crítica Midiática da semana: a espuma midiática da Abin paralela: e se Bolsonaro não for preso? Datacenters ou como países e instituições estão perdendo soberania; Engenharia Social: o caso de “Peixão”, o traficante neopentecostal; o dossiê que revela o curso de Eduardo Bolsonaro; o caso Biden: uma nação com demência; porque OTAN teme Trump?

terça-feira, julho 09, 2024

'Barriga' da mídia na vitória da esquerda na França; aventuras semióticas da "Revolução" de 32; false flag na Ucrânia para salvar Biden



Espuma midiática e uma conveniente lambança da PF para manter o fetiche pelas joias das arábias fascinando na mídia por muito mais tempo. O triplex de Lula e as joias de Bolsonaro: diferentes tipos de fetiches. Esse é um dos temas da Live Extra Cinegnose 360 #57, nessa quarta-feira (10/07), às 18h, no Facebook e YouTube. E depois de mais uma sessão dos trepidantes Comentários Aleatórios, a Crítica Midiática do meio da semana: Começa a Operação False Flag na Ucrânia: Bombardeio de Hospital infantil em Kiev; Bolsonaro e as Joias das Arábias: PT faz o jogo da PsyOp do PMiG; Por que Caiado e Zema não foram ao evento de Bolsonaro CPAC? Por que grande mídia ficou “surpresa” com vitória da esquerda na França? Guerra de São Paulo ou Revolução Constitucionalista: as aventuras semióticas da propaganda paulista; Grande mídia esconde motivo do aumento de preço da gasolina e botijão de gás. E outras bombinhas semióticas que eventualmente explodam até as 18h de quarta-feira.

Como roubar com muita empatia e solidariedade no filme 'Eu Me Importo'


Nada mais atual do que o pânico da senilidade, demência, Alzheimer etc. A controvérsia midiática em torno das limitações cognitivas do presidente Joe Biden mostra isso. Para o Capitalismo, toda crise é oportunidade: por que não transformar esse pânico em mais uma forma de drenagem de dinheiro para o rentismo improdutivo? E tudo com uma cara politicamente correta, com muita empatia e solidariedade – uma tutora legal cuida de idosos judicialmente impedidos a partir de falsos laudos de médicos parceiros, mandando-os para asilos, enquanto drena dinheiro e propriedades das vítimas. É o filme Netflix “Eu Me Importo” (I Care a Lot, 2020). Até o momento que a golpista se envolve com a idosa errada. Mas... toda crise pode ser uma oportunidade. Uma história tragicômica do sonho americano invertido: a meritocracia é um conto de fadas inventado para os pobres.

sábado, julho 06, 2024

Banda 'Vímana'; para mídia, Lula pegou senilidade de Biden, o fetiche midiático das jóias das arábias; Brasil precisa de um FBI



Lula fala, dólar sobe. Biden está senil? Então Lula também está! A grande mídia já foi semioticamente mais criativa. Mas agora ficou canastrona. Venha discutir esse e uma variedade de assuntos na Live Cinegnose #163, nesse domingo (07/07), às 18h, no YouTube e Facebook. Vamos começar com o “Vímana”: a maior banda brasileira que ninguém ouviu. Depois, o filme “O Fundo do Coração” (o mais fracasso mais cult de Coppola) e o francês “Le Vourdelak” (a modernidade, o vampiro e o patriarcado). Mais Comentários Aleatórios, para depois os Livros do Humilde Blogueiro e a Crítica Midiática da Semana: os 10 anos do 7 a 1 da Alemanha: dúvidas justificadas de uma guerra híbrida; o evento bolsonarista com Milei em Camboriú: não tem FBI no Brasil; o cara do G4: a Faria Lima sem filtro; o fetiche midiático das joias de Bolsonaro; o assédio policial a filhos de diplomatas africanos no Rio: a bucha sobrou para o Itamaraty.

A modernidade, o vampiro e o patriarcado no filme 'Le Vourdalak'



O patriarca de uma família no interior da Sérvia volta do campo de batalha. Mas ele volta transformado. Tornou-se um “Voudarlak”. Um vampiro com uma peculiaridade: quer o sangue apenas dos parentes próximos e amigos íntimos. Baseado no conto de escritor russo Aleksei Tolstói (o “outro Tolstói”), o filme francês “Le Vourdalak” (2023) vai às raízes da mitologia do vampiro, muito antes do cânone criado por “Drácula” de Bram Stoker. Um enviado da corte francesa é roubado e pede ajuda a uma estranha família cujo patriarca está fora, combatendo os turcos. Uma fábula gótica orgulhosamente antiquada e com um sutil humor sombrio. Baseado em um conto que faz uma dupla crítica metafórica: o fim da velha ordem monárquica com a modernidade representada pelo vampiro; e a ordem patriarcal: primeiro o escraviza, para depois devorá-lo.

quinta-feira, julho 04, 2024

Dez anos do 7 a 1 da Alemanha: uma goleada geopolítica


Nesse dia 08 de julho chegamos aos dez anos do chamado “Massacre de Belo Horizonte” ou simplesmente “Mineiraço”: a humilhante goleada de 7 a 1 da Alemanha sobre o Brasil na semifinal da Copa do Mundo de futebol de 2014. Uma anomalia em um esporte marcado por baixas contagens, principalmente em semifinais com equipes de forças equivalentes. Tão anômalo que mereceu uma análise exclusiva sobre a performance do jogador David Luiz, feita pelo New York Times. O fato é que num espaço de 48 horas após a goleada, a mídia internacional especializada foi dominada pela ideia de que o resultado da semifinal foi muito mais do que um evento esportivo: foi uma goleada geopolítica. Por que a mídia internacional politizou tão rapidamente um evento esportivo? O “Mineiraço” simplesmente aconteceu como um evento lógico e conveniente dentro da escalada de eventos que se iniciou nas Jornadas de Junho. O pontapé inicial do jogo da guerra híbrida que transformaria o 7 a 1 numa goleada geopolítica. 

terça-feira, julho 02, 2024

Dólar dispara nos 30 anos do Plano Real: mera coincidência? Flagrante: Faria Lima quer mesmo ver o oco; curto-circuito na Globo News


Por alguma razão esotérica o dólar está disparando: é o Lula? É a Janja? São os dois juntos? Pode ser a senilidade do Biden? Ou, por que não, o planeta Nibiru aproximando-se da Terra? Mas nós sabemos bem o porquê... e vamos discutir isso na Live Extra Cinegnose 360 #56, nessa quarta-feira (03/07), às 18h, no YouTube e Facebook. E depois dos indispensáveis Comentários Aleatórios, temos a Crítica Midiática do meio da semana: Os 30 anos do Plano Real, o ataque especulativo à moeda e disparada do dólar: as relações perigosas; um flagrante dos subterrâneos da Faria Lima: religião, negócios, esquerdofobia e meritocracia; Curto-circuito na hipernormalização da Globo News; porque o debate nos EUA foi fogo amigo democrata; Gilmarpalooza: conflitos de interesse e hipernormalização midiática; Incêndios no Pantanal: mudanças climáticas ou crime? 

sábado, junho 29, 2024

Mussorgsky; golpe canastrão na Bolívia? Conflitos de interesses do "Gilmarpalooza"; debate foi armadilha dos democratas contra Biden


Algum jornalista poderia pedir a opinião de Woody Allen sobre a tentativa de golpe na Bolívia. Certamente as imagens do blindado derrubando a porta do Palácio do Governo trariam a ele um déjà vu: o seu filme “Bananas”, de 1971. Mais um exemplo de canastrice na política? Esse é um dos temas da Live Cinegnose 360 #162 desse domingo (30/06) às 18h, no YouTube e Facebook. Voltando aos clássicos, teremos o russo Mussorgsky: Walt Disney, rock e álcool. Depois, a análise de dois filmes: a animação “Divertida Mente 2” (porque o coaching dominou o mercado da felicidade) e o escandinavo “Histórias de Cozinha” (guerrilha epistemológica entre a mesa e o fogão). Na sessão dos livros, uma pergunta: é possível mostrar aquilo que se deseja censurar? E na Crítica Midiática: Por que o golpe na Bolívia durou apenas três horas? Explodem evidências de conflitos de interesses no “Gilmarpalooza”; os 30 anos do Plano Real vira arma nas mãos de Roberto Campos Neto; Aborto, maconha... as etapas da guerra cognitiva; o debate Biden X Trump: Hollywood ameaça golpe nos democratas; Lojas Americanas: o modus operandi do crash de 2008; Mídia russa crava: debate foi armadilha dos próprios democratas para tirar Biden.

sexta-feira, junho 28, 2024

Uma guerrilha epistemológica entre a mesa e o fogão no filme 'Histórias de Cozinha'


Cozinha é um lugar alquímico: ingredientes são mixados para transmutar em algo totalmente outro. Um espaço confessional onde conversas e conexões acontecem. Como, então, transformar esse espaço num objeto de observação científica: um observador “neutro” do alto de um cadeirão observando movimentos e ergonomia doméstica para tabular os dados em rígidos modelos matemáticos numa pesquisa industrial da década de 1950. Esse é o filme escandinavo “Histórias de Cozinha” (Salmer fra kjøkkenet, 2003). Uma espécie de rali científico levado com um humor sutil, no qual o observador estoicamente tenta manter a neutralidade para não comprometer os dados que coleta, enquanto o observado conspira num tipo de guerrilha epistemológica para sabotar o experimento.

quinta-feira, junho 27, 2024

'Divertida Mente 2' ou por que o coaching está em alta no mercado da felicidade


Em 2015, o argumento de Divertida Mente surgiu de uma conversa entre um animador e roteirista da Pixar com um professor de Psicologia da Universidade da Califórnia. Conversavam sobre seus filhos: como quando crescem há uma queda vertiginosa da felicidade e o aumento do medo e da ansiedade. “Divertida Mente 2” (Inside Out 2, 2024) vai além, transformando em animação o modelo cognitivo da inteligência emocional dominante. A animação Pixar reflete um novo tipo de conformismo: não o de seguir a regra certa, mas o do conformismo ansioso por  tentar se adaptar ao meio social através de mapas emocionais ambíguos, esotéricos, enigmáticos. Assistir às emoções lutando pelo console da mente da protagonista ajuda a compreendermos por que o coaching motivacional está em alta no mercado da felicidade.

quarta-feira, junho 26, 2024

Da Lava Jato ao PL do Estupro: CogWar, OTAN e a nova etapa da Guerra Híbrida


Hoje uma nova operação Lava Jato seria impossível. A agenda da guerra híbrida mudou: enquanto a primeira fase (as “primaveras” e “revoluções coloridas”) foi marcada por operações psicológicas, nesse momento a guerra híbrida entrou no modo Guerra Cognitiva (CogWar). É o que mostra o relatório resultante de painéis de discussões da OTAN “Mitigating and Responding to Cognitive Warfare”, de 2023. Enquanto as PsyOps visavam a influência das crenças, a CogWar age sobre cognições, excesso sensorial e perceptivo; saturação da atenção e geração de viéses cognitivos. Trata-se agora tornar o debate público irracional, forçando vieses baseados em religião, valores e costumes. O “PL do Estupro” é um exemplo que cria o chamado “efeito firehose”, aversão à política e despolitização.

terça-feira, junho 25, 2024

Professores para nossa República Gilead; Assange livre e Putin na Coreia: o malabarismo semiótico midiático; o golpismo "Gilmarpalooza"



O Conto de Aia é aqui! Na distopia chamada Brasil. Produtora Brasil Paralelo faz vídeos de História e Geografia para cursos de licenciatura de faculdades privadas. Formar professores para a futura República Gilead. Esse é um dos temas da Live Extra Cinegnose 360 #55, nessa quarta-feira (26/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois dos Comentários Aleatórios, a Crítica Midiática do meio da semana: Produtora Brasil Paralelo é o Aparelho Ideológico de Estado que a esquerda esqueceu; PL do Estupro, Guerra Cognitiva e OTAN; o negócio da China de Tarcisão; Putin na Coréia do Norte e o malabarismo semiótico da grande mídia; a falácia do 30 anos do Plano Real; “Gilmarpalooza”: o golpismo na cara-dura; liberdade de Assange: a reação da TV OTAN brasileira em tempos de Guerra Fria 2.0.

sábado, junho 22, 2024

John Lennon: a história não autorizada; Brasil vai virar Cuba de Fulgencio Batista; PL do Estupro e Guerra Cognitiva


Brasil, de volta para o futuro! Vamos virar Cuba. Mas não a de Fidel Castro. E sim a de Fulgêncio Batista, pré-1959: turismo e praias com resorts e cassinos para os gringos se refastelarem e lavar dinheiro. Essa é a distopia que será discutida na Live Cinegnose 360 #161, nesse domingo (23/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Começando com John Lennon: uma história não autorizada. E em seguida vamos analisar dois produtos Netflix: o filme “Sob as Águas do Sena” (medo e ansiedade na Europa do século XXI) e o documentário “O Vendedor de Ilusões: O Caso Geração Zoe (pregação evangélica, coaching e crime financeiro). E depois, hackeando o Capitalismo na sessão do livros. E na Crítica Midiática: porque a PL do Estupro está além de uma PsyOp: é uma Guerra Cognitiva; Tarcisão faz negócios com a China comunista! Começa operação psicológica para desestimular jovens a entrar na universidade; grande mídia sente o golpe de Putin visitando Coréia do Norte; rescaldo da derrota para Roberto Campos Neto: Lula descobre poder do rádio; Greve das Federais: Lula venceu, mas poderá pagar caro no futuro; um ongueiro wokista para conversar com evangélicos? E outras bombinhas semióticas... 

sexta-feira, junho 21, 2024

Pregação evangélica, coaching e crime financeiro em 'O Vendedor de Ilusões: O Caso Geração Zoe'


Se o demônio existe, ele está na intersecção desses mundos: a pregação evangélica combinada com técnicas de vendas e coaching “ontológico”. O argentino Maximiliano Cositorto conseguiu isso e criou um dos maiores golpes recentes de “Esquema Ponzi”: a plataforma financeira Geração Zoe, uma espécie de Matrix financeira em que os trader lidavam com número irreais, gerando lucro imaginários exorbitantes. O documentário argentino Netflix “O Vendedor de Ilusões: O  Caso Geração Zoe” (2024) narra a ascensão e queda de um negócio que prometia ganhos estratosféricos e transformação pessoal coaching. Hoje Cositorto está preso e se diz vítima do sistema que o teria sabotado. Seguindo a pista deixada por Durkheim sobre a função social dos crimes, podemos compreender porque entidades reguladoras parecem fazer vistas grossas ao surgimento desses esquemas. Por contraste, ajuda a ocultar que na verdade toda a financeirização do capitalismo já é um gigantesco Esquema Ponzi.

quinta-feira, junho 20, 2024

O Medo e a ansiedade coletiva europeia no filme 'Sob as Águas do Sena'


A premissa da produção Netflix francesa “Sob as Águas do Sena” (Sous la Seine, 2024) é seriamente abusurda. Mas esse é praticamente um pré-requisito dos filmes de tubarões nos dias de hoje - em um mundo pós-Jaws (premiado clássico de Spielberg), não há chance de fazer o maior filme de tubarões de todos os tempos. Então, em vez disso, os cineastas apostam em argumentos involuntariamente engraçados: fugindo das mudanças climáticas e do plástico jogado nos oceanos, um enorme tubarão evolui, adapta-se à agua doce, e aparece no rio Sena, em plena Paris, às vésperas de uma competição de triatlo com cobertura mundial. Filme-catástrofe é um subgênero hollywoodiano por excelência. Mas quando vemos uma produção francesa abraçando todo os tropos do subgênero, torna-se significativo: é o reflexo de um zeitgeist que assola a Europa: medo e ansiedade coletiva de um continente na sombra da ameaça da conflagração de uma Guerra Fria que poderá se tornar muito quente num futuro próximo.

terça-feira, junho 18, 2024

Pânico da 'famiglia' Marinho em semana de Copom; triangulação Moro, mídia, PCC; apertem os cintos: agora União Europeia é "MEGA"


Se a Live Cinegnose 360 está na vibe da música clássica, então nada melhor do que ver o “autônomo” Roberto Campos Neto, do “autônomo” BC, como o diretor que rege a orquestra sinfônica do fim do mundo da grande mídia... na Live Extra Cinegnose #360, nessa quarta-feira (19/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois de mais uma trepidante edição dos Comentário Aleatórios, vem a Crítica Midiática do meio da semana: a rentista família Marinho põe artilharia pesada na sua TV desde a primeira hora de segunda-feira em semana de reunião do Copom; Entrevista na Folha e membros do PCC assasinados na cadeia: mais uma articulação Moro, mídia e Judiciário? Para mídia corporativa, Roberto Campos Neto errou... mas Lula errou muito mais! Apertem os cintos, depois de “MAGA” é “MEGA”: “Make Europe Great Again” vira slogan da União Europeia; Terrorismo de Estado: por que guerras do Ocidente matam tantos civis? E muito mais!

sábado, junho 15, 2024

Brahms X Wagner; Debate retrocede a antes da Constituição de Rui Barbosa: a quem interessa a cismogênese; IA e falácia da transição energética


Rui Barbosa deve estar se revirando no túmulo! “PL do Estupro” e “Bancada da Bíblia” não existiriam se sua Constituição de 1891 ainda vigorasse... Venha discutir esses e outros temas na Live Cinegnose 360# 160, nesse domingo (16/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Começando com os vinis do humilde blogueiro: Brahms – o que o conflito entre Wagner e Brahms tem a ver com os séculos XX e XXI? Depois vamos discutir dois filmes: o clássico “Peggy Sue – Seu Passado à Espera” (amor, família e o Tempo na Era Reagan) e o romeno “Não Espere Muito do Fim do Mundo” (assista a esse filme se quiser saber porque a extrema-direita está crescendo). Em seguida, Comentário Aleatórios sísmicos e livros do humilde blogueiro: uma sociedade melhor está em nosso DNA? E na Crítica Midiática: PEC da privatização da praias, PL do Estupro... cismogênese enquanto mídia e banca financeira articulam Tarcisão Terceira Via; Por que Rui Barbosa está rolando no túmulo com a PL do Estupro? Como grande mídia normaliza o “debate”; Falências na Alemanha disparam: Putin está ganhando a guerra?  Inteligência Artificial, Data Centers e a falácia da transição energética... e outras detonações semióticas!

sexta-feira, junho 14, 2024

Por que a extrema-direita cresce? Assista ao filme 'Não Espere Muito do Fim do Mundo'


Se no passado era a religião, hoje quem cria as imagens do Apocalipse é Hollywood. Com um ponto em comum em suas variações: um fato marcante como guerra nuclear, uma pandemia etc. Mas e se o apocalipse for uma fato tão banal e cotidiano que não percebemos, fruto da nossa capacidade hercúlea de normalizar e racionalizar? Essa é a visão diretor romeno Radu Jude em “Não Espere Muito do Fim do Mundo” (Nu astepta prea mult de la sfârsitul lumii, 2023,  disponível na MUBI): a luz se apagará tão sutilmente que não perceberemos até que tudo esteja escuro como breu. O filme acompanha um dia de trabalho da produtora de vídeo corporativo precarizada, condenada a horas extras mal remuneradas e que desconta todo o seu ódio e resentimento no seu alterego obsceno ultra-macho no TikTok, com um humor duvidoso em torno de estupro, xenofobia, misoginia e ódio. Quer saber por que a extrema-direita internacional está crescendo? Assista a este filme.

quinta-feira, junho 13, 2024

Amor, família e catástrofe do tempo na Era Reagan em 'Peggy Sue - Seu Passado a Espera'


Depois de vários anos de experimentos estilísticos com novos processos cinematográficos e resultados desiguais, em 1986 Francis Ford Coppola decidiu fazer apenas um filme: “Peggy Sue – O Seu Passado a Espera” (Peggy Sue Got Married). Seguindo a receita narrativa de Spielberg e Zemeckis (histórias contadas para “crianças de qualquer idade”), Coppola embarca num enredo semelhante a “De Volta para o Futuro”, mas em um tom de conto de fadas adulto: uma mulher participa do baile comemorativo dos 25 anos da turma de formatura do ensino médio e desmaia. Quando acorda, descobre que voltou a 1960 e habita seu próprio corpo adolescente, mas com a consciência adulta. É a oportunidade da segunda chance para dirimir os arrependimentos do presente. Como produto da neoconservadora Era Reagan, “Peggy Sue” quer mostrar que o amor e a família estão além da catástrofe do tempo.

terça-feira, junho 11, 2024

Europa: crescimento da extrema-direita ou domínio total de espectro? Bolsonaro e Adélio Bispo: "case" de comunicação alt-right

O “bolsonarista moderado” Tarcísio “bandeirante-frankenstein” de Freitas convidou o  “autônomo” Bob Fields Neto, presidente do igualmente “autônomo” BC, para um jantar no Palácio dos Bandeirantes para um papo, por assim dizer, “técnico”. Mas o nosso papo não é nada técnico. É político-ideológico mesmo, na Live Extra Cinegnose 360 #53, nessa quarta-feira (12/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois dos Comentários Aleatórios sísmicos, vem a Crítica Midiática do meio da semana:  Cresce extrema-direita na Europa: domínio total de espectro? Por que toda semana que Roberto Campos Neto participa de jantares secretos, Boletim Focus e mídia detonam expectativas de mercado? Sabotagem na guerra do arroz; hidrogênio verde: por que de repente o Centrão de Lira se interessou pela agenda verde? Bolsonaro e  Adelio Bispo: um “case” de comunicação alt-right. Bomba! Estadão descobre o “gabinete do ódio” e da “ousadia” do governo Lula. E mais algumas bombinhas semióticas.

sábado, junho 08, 2024

Punk "Coquetel Molotov"; TV OTAN: Olimpíadas e guerra total; Por que militares ficaram bonzinhos? Bola cantada: TCU contra Lula na guerra do arroz


Olimpíadas em Paris e armas (nucleares?) da OTAN lançadas contra Rússia. Thriller militar e entretenimento! É o show da TV OTAN para todo o planeta. Esse é um dos cenários que discutiremos na Live Cinegnose 360 #159, nesse domingo (09/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Que começa com os vinis e CDs do humilde blogueiro ainda na vibe punk: “Coquetel Molotov” e o levante do subúrbio carioca. Em seguida discutiremos duas séries: “O Sinal” (acobertamento geopolítico e a privatização do espaço) e “Fallout” (o Capitalismo Distópico de Elon Musk e o Realismo Capitalista). E depois de mais Comentários Aleatórios, os livros do humilde blogueiro: memes e Memética. Na Crítica Midiática da semana: o que há em comum entre as escolas privatizadas do Paraná e as cívico-militares de SP; Ronie Lessa diz que Rivaldo Barbosa era seu “guru”: caso Marielle Franco está longe de ser encerrado; Por que militares agora defendem comissão da verdade e parceria com a China? Bola cantada: TCU vai entrar na sabotagem do leilão do arroz... impeachment de Lula? OTAN quer ver o oco: libera que Ucrânia use armas americanas contra território russo... e outras inúmeras bombinhas semióticas. 

sexta-feira, junho 07, 2024

Realismo capitalista e capitalismo distópico de Musk na série 'Fallout'


Seja no cinema como no audiovisual, o fim do mundo está ficando cada vez mais estranho. O fascínio de sabermos o que aconteceria após o apocalipse permanece. Porém, não temos mais o tom épico do apocalipse do século XX. Hoje impõem-se uma leitura mais introspectiva: como o que que restou da humanidade se comportaria sob pressão. O resultado é passagem do tom épico para o propagandístico: o fim do mundo sob olhar capitalista distópico do tipo Elon Musk e o realismo capitalista. É o exemplo da série Amazon Prime adaptada do videogame “Fallout” (2024-). Esteticamente é um mush-up dos arquétipos pop do século XX, de David Lynch ao western spaghetti de Sergio Leoni. Mas, dois séculos no futuro, mesmo depois do fim, o que restou mantém a viciosidade capitalista: guerras por fontes de energias não renováveis. Paz e fontes de energia livre não estão nos planos. Porque não geram lucros.

quinta-feira, junho 06, 2024

Alienígenas, acobertamento geopolítico e privatização no espaço na série 'O Sinal'


Enquanto o Oriente faz pousos bem-sucedidos de sondas na Lua, o Ocidente aposta na privatização das missões espaciais por bilionários como Musk, Bezos e Branson. Desde “Alien” (1979), o cinema e audiovisual vem narrando as consequências muitas vezes catastróficas dos interesses corporativos nas missões espaciais. A minissérie alemã Netflix “O Sinal” (Das Signal, 2024) é outra produção que entra nessa lista, colocando mais um ingrediente: no meio de uma missão privada na Estação Espacial Internacional (financiada por uma bilionária indiana), um sinal repetido chega do espaço profundo, uma voz infantil falando “olá”. É o início de conspirações no melhor estilo “Arquivo-X” que revela uma questão fundamental: como um mundo dividido entre interesses geopolíticos dos governos e a concentração da riqueza planetária numa casta de bilionários, como esse mundo poderá criar um consenso em torno de quem representará a Terra num possível contato com uma inteligência extraterrestre? 

terça-feira, junho 04, 2024

Ardil midiático na Parada LGBT; "Capitalismo Helicoidal", BlackRock e BC; não existe pecado abaixo do equador: Sabesp e o aeroporto de RS

Parada LGBT fez aquilo que a esquerda não fez na guerra semiótica: resgatou e ressignificou o verde-amarelo do bolsonarismo. E a grande mídia comemorou... Por que? Qual é o ardil? Esse é um dos temas da Live Extra Cinegnose 30 #52 dessa quarta-feira (05/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois dos indefectíveis Comentários Aleatórios, a Crítica Midiática do meio da semana: PIB sobre 0,8%... Mídia: "pra quê baixar juros se a economia cresce!"; “Capitalismo Helicoidal” e a empresa de investimento BlackRock; Não existe pecado abaixo do equador para o capitalismo: contrato de concessão do aeroporto submerso de Porto Alegre e da Sabesp empurram buchas climáticas para o Estado; Greenpeace, CUFA e Museu do Amanhã: da Margem Equatorial às cidades provisórias de Porto Alegre;  a sinergia SP/Paraná da militarização e privatização das escolas. Venha participar!

sábado, junho 01, 2024

Condenação de Trump revela natureza da mídia brasileira; Marcha para Jesus e Parada LGBT: esfera pública fascista e aversão à Política


A condenação do ex-presidente Donald Trump nos ensina bastante não só sobre a estratégia alt-right de implodir a democracia liberal como também a natureza do jornalismo da grande mídia brasileira. Esse é apenas um dos temas da Live Cinegnose 360 # 158, nesse domingo (02/06), às 18h, no YouTube e Facebook. Começamos com o punk rock brasileiro da banda “Inocentes”: o punk contra a ditadura militar. Logo depois dos sempre trepidantes Comentários Aleatórios, vamos discutir os filmes “O Podcast” (McGuffin, luta de classes e paranoia viral audível) e o filme que abriu as portas de Hollywood para o Ocultismo: “Incubus”. Nas sessão dos livros, do desmanche à liquefação da Modernidade. E na Crítica Midiática: Marcha para Jesus e Parada LGBT: porque discussão do conceito de “esfera pública” é importante para a esquerda; PCC e Exército: todo mundo quer matar o Xandão! Derrotas de Lula no Congresso: relembrando anomalias das eleições de 2022; Tarcisão é a aposta da grande mídia: foi a enchente no RS! E outras bombinhas semióticas.

sexta-feira, maio 31, 2024

Marcha para Jesus, escola cívico-militar... extrema direita faz esfera pública fascista. E a esquerda?


Da Marcha para Jesus, passando por templos religiosos dando “assistência espiritual” a PMs e chegando a sanção da lei em SP que institui escolas cívico-militares, acompanhamos a estratégia da construção de uma esfera pública fascista. Para entendermos a gravidade política disso, precisamos compreender o conceito de “esfera pública”, sempre confundida com a noção de “opinião pública”. Sobrevalorizamos o expertise digital da extrema direita nas redes sociais e Internet: o seu timing, a velocidade na produção de recortes, memes e a linguagem da lacração. O que fez os progressistas partirem para a militância digital, enquanto a esfera pública de esquerda se fregmentou em “progressismos”e as ruas foram abandonadas. Qual a importância da esfera pública na comunicação? Não importa a linguagem ou o poder midiático. A esfera pública vai além da propaganda. Sem uma esfera pública de relações face a face, nenhum conteúdo midiático é sancionado.

quinta-feira, maio 30, 2024

'O Podcast': MacGuffin, luta de classes e paranoia viral audível



Uma jornalista perde a credibilidade e o emprego depois de uma reportagem catastrófica.  Tenta salvar sua carreira aceitando uma tarefa ignóbil e humilhante: começar um podcast. Um “podcast click bait” sobre mistérios e conspirações. Até que acaba tropeçando em um e-mail com um número de telefone que será a descida na toca do coelho de uma suposta conspiração global sobre “tijolos pretos” que surgem do nada, governos ou, quem sabe, aliens.  Esse é o filme australiano “O Podcast” (Monolith, 2022, disponível no Max) que utiliza o célebre recurso narrativo de Hitchcock: o “objeto McGuffin”- os “tijolos pretos” são apenas pretextos para evidenciar a ansiosa e paranoica viralidade audível podcast e a intrusão dos ressentimentos da luta de classes na bolha digital.  

terça-feira, maio 28, 2024

Tarcisão toca música "SP na Direção Certa" para mídia; privatizar praias: Lula entre a banca financeira, lobby da jogatina e crime organizado


“Cortes”, “redução de gastos”, “equilíbrio fiscal”, “modernização da gestão”... isso soa como música para a grande mídia, que começa a bombar o “Programa SP Direção Certa” do Tarcísio “bandeirante-frankenstein” de Freitas para presidente. Foi esse o plano no jantar do “Sextão do Huck”? Esse é um dos temas da Live Extra Cinegnose 360 #51 dessa quarta-feira (29/05), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois dos Comentários Aleatório que irão de Xuxa a Einstein, vamos de Crítica Midiática do meio da semana: o que Ronnie Lessa não disse no Fantástico; Projeto Gaza 2035: qual o ponto comum entre Faixa de Gaza e Porto Alegre? Programa “SP na Direção Certa” de SP: para mídia Tarcisão faz o que Lula nunca fez; a sutil ameaça da Chefe do Comando Sul dos EUA; “Controle Total de Espectro”: Chambriand quer acelerar exportação de petróleo e mídia progressista não gosta; Flávio Bolsonaro não quer privatizar praias: é a “Cancun Brasileira”, estúpido! E outras bombinhas semióticas...

sábado, maio 25, 2024

Beethoven protopunk; Globo e a irrealidade cotidiana no RS; Boletim Focus, BC e Mídia: como se constrói uma crise


Jornalistas corporativos só pensam nisso: “e o equilíbrio fiscal?”. Em qualquer situação, mesmo no fim do mundo! Preocupação que está na relação direta com um jornalismo desequilibrado, com um lado só. Mas esse Cinegnose só pensa numa coisa: desconstruir semioticamente a mídia. É o que continuaremos a fazer na Live Cinegnose 360 #157, nesse domingo, às 18h, no YouTube e Facebook. Começamos com a música de Bethoveen, o protopunk. E após os movimentados Comentários Aleatórios, duas séries inspiradas no mundo quântico do gato de Schrödinger: “Matéria Escura” (por que o século XXI estáo bcecado pelo multiverso?) e “Constelação” (“Alice Através do Espelho” de Carroll vai ao multiverso). Na sessão dos livros, a Modernidade que se desmancha e liquidifica. Na Crítica Midiática da Semana: Boletim Focus, BC e mídia: como se constrói uma crise; General do Comando Sul dos EUA, com porta-aviões na Costa brasileira, manda recado: não se metam com a China! Mídia pressiona Itamaraty: o refém “brasileiro” morto pelo Hamas; Só chove no RS? É o agropop do Sudeste-Centro-Oeste, estúpido! Globo e a irrealidade cotidiana no RS; Estadão com medo de Janja... e outras bombinhas semióticas.

quinta-feira, maio 23, 2024

'Alice Através do Espelho' de Lewis Carroll vai ao multiverso quântico na série 'Constelação'


Vários efeitos colaterais da viagem ao espaço são estudados, dos efeitos da radiação cósmica na cognição e visão dos astronautas, à perda de massa óssea, muscular e alto risco de câncer. Além de misteriosos relatos de visões de luzes cegantes provenientes de aparições no espaço semelhantes a anjos. A série Apple TV+ “Constelação” (2024-) dá a sua interpretação para tudo isso. E na atual onda de produções sci-fi, somente pode ser dentro do campo dos multiversos quânticos. Mas aqui, a “sobreposição quântica” na verdade é a sobreposição da ficção-científica com o conto de fadas: a Alice de “Alice Através do Espelho” de Lewis Carroll encontra-se com o experimento imaginário de Schödinger do gato numa caixa ao mesmo tempo morto e vivo.

terça-feira, maio 21, 2024

A agenda política de Luciano Huck; "Direita Sensata": manual para tirar o PT do governo; para Globo, só civil salva civil no RS


Enquanto os “técnicos” e “isentos” fazem jantares jurando que são apenas “amigos que querem fugir da polarização”, este humilde blogueiro, nada isento, apresenta a Live Extra Cinegnose 360 #50, nessa quarta-feira, às 18h, no YouTube e Facebook. Depois de “técnicos” Comentários Aleatórios, vem a polarizada Crítica Midiática do meio da semana: do artigo “ambidestro” de O Globo ao “Futebol Solidário no Domingão”: Empreendedorismo na tragádia: para Globo, civil salva civil; a agenda política de Luciano Huck; Folha e a agenda de Eduardo Leite: para Capitalismo, crise é oportunidade; como a paranoia lavajatista prejudica ações no RS; agoraé a “Direita Sensata”: um manual para tirar o PT do poder; com mulheres e presidiários na linha de frente de Zelensky, OTAN vai entrar na guerra; Conspiração Boeing: estranhos acontecimentos envolvendo a fabricante de aviões... e outras bombinhas semióticas.

sábado, maio 18, 2024

O Jazz-rock de Stanley Clarke; entrevista com o economista Nildo Ouriques; mídia no modo alarme: pânico fiscal e cromático



O pânico pela cor vermelha está de volta no jornalismo corporativo. Das feitiçarias subliminares dos porões do PT, ei que emergiu Paulo Pimenta com seu sinistro casaco vermelho! Para o pânico das “colonistas” Ana Flor e Daniela Lima. Esse é um dos múltiplos temas que discutiremos na Live Cinegnose 360 #156, nesse domingo (19/05), às 18h, no YouTube e Facebook. Uma Live especial, porque conversaremos com o professor do Departamento de Economia e Relaçoes Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina, Nildo Ouriques. Mas antes, vamos falar do baixista Stanley Clarke: do jazz-rock fusion às trilhas para cinema. E depois dos Comentários Aleatórios e da entrevista com Nildo Ouriques, vamos discutir a série “Matéria Escura”: por que o século XXI está tão obcecado pelo multiverso? E na Crítica Midiática da semana: uma semana de pânicos fiscal e cromático; PSDB reage contra PT para defender pièce de résistance do RS; por que Temer ressuscitou na grande mídia? Copa do Mundo de Futebol Feminino no Brasil: começa o recall anti-PT da Copa de 2014. E outras bombinhas semióticas.

Pânico cromático: por que jornalistas corporativos têm tanto medo da cor vermelha?

O pânico cromático provocado pela cor vermelha está de volta. Dessa vez, para tentar salvar das enchentes o governador do RS, Eduardo Leite. Depois do pânico das ciclofaixas pintadas de vermelho em SP, do pavor de símbolos vermelhos entrarem na bandeira brasileira e de a Folha exaltar a retirada da cor vermelha dos pilares do MASP, agora o pânico cromático retorna na politização da catástrofe ambiental que o jornalismo corporativo diz que não deve ser feito. A jaqueta vermelha do ministro da Reconstrução do RS, Paulo Pimenta, provocou pavor semiótico na Globo News. O apalermado Eduardo Leite estaria de cara amarrada por estar diante de uma propaganda política explícita do PT. Segundo a Globo News, ao contrário, o jovem ativo político midiático estaria “neutro”, com colete da Defesa Civil. Grande mídia diz combater as fake news da extrema direita. Mas continua alimentando com pautas, imagens etc. as redes bolsonaristas. “Eritrofobia” é termo psiquiátrico dado ao pavor irracional pela cor vermelha... será que os jornalistas corporativos sofrem disso? 

quinta-feira, maio 16, 2024

Série 'Matéria Escura': por que o século XXI está tão obcecado pelo multiverso?


A vida é feita de escolhas que fazemos em momentos cruciais que irão nos definir para sempre. Desde que os paradoxos da mecânica quântica, o experimento imaginário do gato de Schrödinger e a sua interpretação de Hugh Everett que abriu a possibilidade da existência de muitos mundos com diferentes versões de nós mesmos, parece que a angústia do “para sempre” ficou ainda maior, na literatura e no cinema: será que fiz a escolha certa? E se fosse possível ver a escolha da minha outra versão? Poderia ter uma segunda chance? A série Apple TV “Matéria Escura” (Dark Matter, 2024-) é mais uma produção na onda atual de filmes sobre multiverso. Embora o impacto cultural dos enigmas quânticos esteja no século XX, é nesse século que a angústia da escolha é ampliada, no estranho zeitgeist que domina a atualidade. Um gênio da física bem-sucedido cria uma maneira de viajar pelo multiverso para trocar de lugar com o sua outra versão menos bem-sucedida, invertendo a premissa tradicional do gênero.

Essa não é minha linda casa/Essa não é minha linda esposa
Meu Deus! O que eu fiz?
(“Once a Lifetime”, Talking Heads)

terça-feira, maio 14, 2024

Comunistas dos BRICS ajudam o liberal RS; BC: falácia da crise Política X Economia; "cidade-esponja: como mudar para deixar tudo na mesma

Dilma Rousseff anuncia ajuda bilionária dos BRICS para o Rio Grande do Sul... é muita ironia: agora “comunistas” estão ajudando o Estado. Entre outros temas, vamos falar sobre essa “saia justa” do governador Eduardo Leite na Live Extra Cinegnose 360 #49, nessa quarta-feira (15/05), às 18h, no YouTube e Facebook. Como sempre, depois dos Comentários Aleatórios vem a Crítica Midiática do Meio da Semana: a falácia da suposta crise Economia X Política na Ata do Copom do Banco Central; Grande mídia continua tentando dar pernas à crise autorrealizável do desabastecimento; “Cidade-esponja”: como sempre, o Capitalismo quer mudar para manter tudo na mesma; o fenômeno dos “comunistas liberais” é um Efeito Heisenberg midiático em RS? Bonner foge para o navio da Marinha: porque Globo é hostilizada em Porto Alegre; pesquisa Quaest: quem quer politizar a catástrofe? Antony Blinken na Ucrânia: por que essa guerra é diferente de todas as outras? Venha participar!

sábado, maio 11, 2024

Chopin dândi; jornalismo profissional alimenta fake news; armadilha no RS para impeachment de Lula; "comunistas liberais" ajudam o RS


MALDITAS FAKE NEWS! Começa a cruzada do Governo e do jornalismo corporativo contra as fake news... jornalismo que, secretamente, as alimenta. Essa é a estratégia midiática de salvamento do governador Eduardo Leite. É o que vamos descobrir na Live Cinegnose 360 #155, nesse domingo (12/05/2024), às 18h, no YouTube e Facebook. Que começa com os vinis de Chopin: dandismo e o surgimento da esfera pública na música clássica. Depois, vamos discutir o horror japonês “Exte: Hair Extensions” (no J-Horror os cabelos querem se vingar do Capitalismo) e o filme brasileiro “Os Famosos e os Duendes da Morte” (uma das raras incursões do cinema brasileiro na mitologia gnóstica). Na sessão dos livros do humilde blogueiro, futebol e futebytes. E na Crítica Midiática: as armadilhas que a grande mídia está armando no RS para um hipotético impeachment de Lula; novidade semiótica: o jornalismo metonímico de recorte alimenta fake news da extrema-direita; o “alívio cômico” do cavalo “Caramelo” e do “funil” da Lagoa dos Patos no RS; Desabastecimento: mídia tenta criar profecia autorrealizável. Os “comunistas liberais” e as ações de caridade das celebridades; por que a guerra na Ucrânia é diferente de todas as outras guerras? Netanyahu está terminando a terraplenagem de Gaza. E outras bombinhas semióticas!

sexta-feira, maio 10, 2024

Jornalismo metonímico da grande mídia dá munição às fake news de olho no impeachment


Vivemos mais um hype na grande mídia sobre as chamadas “fake news”. Que agora miram a calamidade ambiental no Rio Grande do Sul. Os “colonistas” do jornalismo corporativo mostram todo o seu repertório de indignação moral e amaldiçoam essa praga supostamente exclusiva das redes sociais. Mais uma vez, o hype midiático sobre fake news ocorre como estratégia diversionista para esconder algo. Dessa vez, a forma inovadora pela qual o chamado “jornalismo profissional” está fornecendo munição para algo que vai muito além das “fake news”: uma estratégia ampla de contrainformação com dois objetivos: tirar o protagonismo de Lula e espalhar cascas de bananas orçamentárias (sob a lupa do TCU) para, quem sabe, servir de álibi para um processo de impeachment. A novidade semiótica é o “jornalismo metonímico para recorte”: como passar munição para a extrema-direita por baixo da mesa. 

quinta-feira, maio 09, 2024

'Exte: Hair Extensions': no J-Horror os cabelos querem vingar sua mercantilização


O sucesso do J-Horror (o horror japonês) foi trazer na virada de milênio uma abordagem do gênero distante do Ocidente: ao invés da tradicional matriz edipiana, histórias de fantasmas prisioneiros no mundo físico em busca de vingança devido a traumas ou fortes emoções que não lhes permitem passar para um outro plano. Um fantasma conhecido como “onryō”, uma jovem que foi muito injustiçada por um homem na vida e agora busca vingança sobre os vivos. Marcada pela figura icônica dos cabelos pretos longos e pegajosos.  “Exte: Hair Extensions” (Ekusute, 2007), de Sion Sono (Suicide Club), parece ser uma síntese desse gênero japonês, ao mesmo tempo em que faz uma piada interna contra o próprio J-Horror: os cabelos se transformam numa entidade com vida própria, em busca de vingança... em salões de beleza que vendem apliques feitos com fios de cabelos humanos. Sion Sono faz uma crítica social: a mercantilização do próprio corpo humano.

terça-feira, maio 07, 2024

Madonna agora salva o RS... e Eduardo Leite; Mídia entre Estado Mínimo e o socorro máximo; uma semana sincromística


Madonna salva o PIB brasileiro e ainda doa R$10 milhões para o Rio Grande do Sul... Depois do guarda-chuva da Globo, Eduardo Leite ganha apoio da Madonna/Itaú... enquanto desaparece nas águas midiáticas. Esse é um dos temas da Live Extra Cinegnose 360 #48, nessa quarta-feira (08/05), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois dos sempre polêmicos Comentários Aleatórios, a Crítica Midiática do meio da semana: jornalismo corporativo diz que calamidade no Rio Grande do Sul não é para ser politizada... mas, como sempre, Lula deixou de fazer alguma coisa! Grande mídia não sabe o que fazer com Eduardo Leite: as guinadas narrativas da mídia; “Colonistas” na corda bamba: querem Estado Mínimo com socorro máximo; porque a semana passada (com Madonna, Primeiro de Maio e calamidade ambiental no RS) foi um evento sincromístico; CEOs falam em agenda ESG. Mas esquecem disso nas suas casas no Litoral Norte SP. E outras bombas semióticas que eventualmente explodam até as 18h.

Celebração de Madonna, fiasco do 1º de Maio e calamidade pública no RS: espasmos da realidade


O escritor Norman Mailer dizia que no despertar de grandes acontecimentos ocorrem estranhas coincidências, como fossem espasmos da realidade. A semana passada ocorreu um fenômeno sincrônico com três coincidências significativas num mesmo espaço de tempo: começou com o fiasco do Primeiro de Maio na quarta-feira, encerrando com a simultaneidade da calamidade pública no Rio Grande do Sul enquanto Copacabana fervia com o show gratuito de Madonna para mais de um milhão de pessoas. Eventos sincrônicos revelam a ironia das causas-efeitos: enquanto um banco comemorava 100 anos celebrando em um megashow a sua concepção de projeto de Nação imposto ao País pela hegemonia do financismo, os efeitos desse projeto repercutiram – a precarização de uma força de trabalho dessindicalizada e a catástrofe ambiental que veio depois do comemorado superavit fiscal dos ajustes das contas públicas do RS. 

sábado, maio 04, 2024

Robert Cray; lançamento do livro 'Borogodança' de Nelson Job; Mídia dá guarda-chuva para Eduardo Leite; Madonna salva PIB brasileiro


Calamidade pública no Rio Grande do Sul. Mas o guarda-chuva protetor da grande mídia vai para o governador Eduardo Leite... que sai pela direita... como fazia o velho Leão da Montanha da Hanna-Barbera. Esse é um dos temas da Live Cinegnose 360 #154, nesse domingo (05/05), às 18h, no YouTube e Facebook. Live Especial: entrevista com o psicólogo e pesquisador do Coletivo Transaberes, Nelson Job que está lançando o livro “Borogodança” na Sessão dos Livros do Cinegnose. Mas antes, na sessão dos vinis, o guitarrista Robert Cray: MTV e a linguagem Crossover. Depois vamos analisar os filmes “Stopmotion” (se somos modelos de animação, quem nos controla?) e “Track 29” (a Europa é a consciência de culpa da América). E na Crítica Midiática da Semana: como grande mídia protege Eduardo Leite da tempestade no RS, que sobra para Lula; para economistas, Madonna salvará o PIB brasileiro; porta-aviões nuclear americano na costa brasileira: é o dólar, estúpido! Jornalismo corporativo comemora fracasso do Primeiro de Maio: ficha caiu para a esquerda? Denunciantes da Boeing morrem misteriosamente, dois mil estudantes presos, Tik Tok pode ser banida: é a “Democracia” nos EUA. Tudo nesse domingo!

sexta-feira, maio 03, 2024

Em 'Track 29' a Europa é a consciência de culpa da América



Nos anos 1980 um curioso subgênero prosperou em Hollywood: o “desconstruindo o Yuppie”: um protagonista certinho, careta e financeiramente bem-sucedido que tem a sua rotina quebrada por uma figura disruptiva ou sequência de eventos descontrolados que o desorienta e o desconstrói. “Track 29” (1988), do britânico Nicolas Roeg e produzido pelo ex-Beatle George Harrison, trouxe novidades: um olhar europeu para a América profunda a partir do olhar de um estrangeiro que chega a uma pequena cidade para literalmente fazer tudo sair dos trilhos: uma dona de casa entediada e frustrada é casada com um médico bem-sucedido e respeitável que só tem olhares para sua amante dominatrix e o ferromodelismo como uma metáfora nostálgica de uma América que deve “voltar aos trilhos”. “Track 29” é a Europa como consciência de culpa da América.

quinta-feira, maio 02, 2024

'Stopmotion': se somos modelos de animação, quem nos controla?


O século XXI está testemunhando o despertar da antiga e trabalhosa técnica de animação chamada “stop-motion”. De simples efeito especial no século XX, agora se torna uma expressão animada em longa-metragem. Por um lado, o páthos da stop-motion reside em dar vida àquilo que é inanimado, como no mito de Golem e Pigmaleão. Mas também se conecta com a simbologia de bonecos e fantoches como expressão da condição gnóstica nesse mundo. O filme britânico “Stopmotion” (2023) é uma espécie de terror metalinguístico que tem como atração principal a fusão de live action com a stop-motion na qual inocentes fantoches sem vida passam a ganhar propriedades sobrenaturais que começam a invadir a vida de uma animadora que fica à mercê das suas criaturas artesanais. Um filme PsicoGnóstico no qual não é o mundo onírico e alucinações que borram as fronteiras com a realidade: é a stop-motion que invade a vida cotidiana, sugerindo que todos nós poderíamos ser meros modelos de animação. Mas controlados por quem?

terça-feira, abril 30, 2024

O Globo escolhe seu "bolsonarista moderado"; Quarta Frota dos EUA no Brasil! Esquerda parlamentar nos EUA em outro spin-off do 8/1


Diretamente das profundezas de um laboratório midiático carioca, é lançada a criatura carioca-bandeirante-frankenstein, o Anti-Lula ungido pela mais sofisticada ciência semiótico-cognitiva disponível por essas plagas onde a Rainha Madonna colocou seus pés. Venha saber mais na Live Extra Cinegnose 360 #47, nessa quarta-feira (01/05), às 18h, no YouTube e Facebook. Depois dos Comentários Aleatórios, a Crítica Midiática do meio da semana: O Globo aposta no seu Anti-Lula: Tarcisão; Folha declara que precisa do “bolsonarismo moderado”; “Secom paga a TV Globo... mas quem aparece é a extrema-direita; Mais um “spin-off” do 8/1: Comitiva Parlamentar brasileira convidada pela CPI do Capitólio; Grande mídia fecha os olhos: Quarta Frota da Marinha dos EUA está nas costas brasileiras - o que isso tem a ver com a ameaça recente de Trump com blocos que ameaçarem abandonar o dólar? “Joca Presente!”: protestos contra morte do cão transportado pela Gol revela como os “progressismos” fragmentaram a esquerda. E outras bombinhas semióticas... 

sábado, abril 27, 2024

Vivaldi: do barroco ao muzak; toda escravidão será indenizada: o mercado invade a História; o telecatch Lira X Felipe Neto: eles se merecem...


Agora o mercado quer invadir a História: mercado de indenizações por reparações históricas. Portugal vai indenizar pela escravidão? Que tal pagar para deixar tudo na mesma? Rapara o passado e mantém o presente que tem o mesmo sistema do passado. Esses saltos imprevisíveis do Capitalismo serão discutidos na Live Cinegnose 360 #153, nesse domingo (28/04), às 18h, no YouTube e Facebook. Que começa com o “Padre Ruivo” Antonio Vivaldi: esquecido e as obras perdidas por mais de um século, por que virou “Muzak” e símbolo da felicidade barroca no século XX? Logo depois dos sempre surpreendente Comentários Aleatórios, vamos discutir dois filmes: “Guerra Civil” (Grande Reset Global do Capitalismo quer mandar democracia às favas) e “Tarde da Noite com o Demônio” (a TV misteriosa e oculta dos anos 1970-80). Alfabetização audiovisual e letramento midiático da sessão dos livros. E na Crítica Midiática da Semana: Por que Portugal agora assume reponsabilidade pela escravidão? O telecatch Arthur Lira X Felipe Neto: eles se merecem! Controvérsia da desoneração da folha e pânico fiscal: aspectos da “anorexia econômica”; Mais de 500 estudantes presos em protestos e Tik Tok banido nos EUA: por que Biden se esforça tanto para perder as eleições? E outras bombinhas semióticas..

sexta-feira, abril 26, 2024

'Tarde da Noite Com o Diabo': a TV oculta e misteriosa dos anos 1970-80


"Tarde da Noite com o Diabo” (Late Night With The Devil, 2023) é outra produção ao lado de “Poltergeist”, “Videodrome” ou “Ring: O Chamado”: o imaginário da TV dos anos 1970-80 que criou uma aura misteriosa e oculta em torno dela. Uma época que a TV terminava a programação e saia do ar, deixando ruídos na tela. Para onde vai o mundo quando a TV sai do ar? Nos EUA fez crescer o “cinema da meia noite”, para insones em busca de filmes bizarros e experimentais. As TV abertas responderam com os talk shows da meia-noite. “Tarde da Noite com o Diabo” é um mockumentary em torno de um programa chamado “Night Owls With Jack Delroy" estamos prestes a assistir às imagens historicamente infames de uma noite que “chocou toda uma nação”. Um programa especial de Halloween de 1977 com uma perigosa combinação: médiuns, parapsicólogos e... uma garota possuída pelo demônio. O filme é uma deliciosa combinação de simbolismos que vão do parapolítico ao gnóstico: um acordo faustiano entre o programa, a simbologia da Coruja e a infame irmandade secreta californiana conhecida como “Bohemian Grove” e o simbolismo do “Abraxas” na cosmogonia gnóstica. 

terça-feira, abril 23, 2024

'Guerra Civil' alinha-se a agenda do Grande Reset Global e manda democracia às favas



Há uma urgência da destruição no cinema americano: aliens, terroristas, asteroides, zumbis etc. Mas “Guerra Civil” (Civil War, 2024), ironicamente dirigido por um britânico, Alex Garland, foi diabolicamente inteligente: dessa vez o espetáculo não é ver edifícios icônicos de Washington DC indo pelos ares. O que principalmente está indo pelos ares é a própria ideia da democracia burguesa. Mais do que isso, o que está em questão em “Guerra Civil” é o próprio fim da ilusão que perpetrou o mito da democracia americana. “Guerra Civil” é uma distopia política que faz todo o sentido Hollywood irradiar para todo o planeta. Porque reforça a mitologia da polarização política como motivo para a crise da democracia – o álibi para justificar a escalada da extrema-direita por todo o mundo no contexto do chamado Grande Reset Global do Capitalismo. 

Governo não controla Estado...e Folha fatura; pesquisa Ipec: opinião pública não existe; Grande Reset ou economia de guerra de pleno emprego?


HOW CONVENIEEEENT!!! Em plena crise midiática da mudança da meta fiscal, ataque hacker invade sistema de pagamentos do governo... para desvio de recursos da União... Como Folha prospecta novas crises? Venha descobrir na Live Extra Cinegnose 360 #46, nessa quarta-feira (24/04), às 18h, no YouTube e Facebook. Como sempre, começamos com os Comentários Aleatórios com o olhar em 360 graus. Depois, a Crítica Midiática do meio da semana: como mídia transforma o programa de refinanciamento de dívida para MEIs de Lula em ameaça à classe média; a invasão do sistema de pagamentos: governo não controla máquina do Estado... e Folha aproveita; a chantagem do financismo e anorexia econômica; atentados no União Brasil: a capacidade da extrema-direita criar acontecimentos; Pesquisa Ipec e como a opinião pública não existe; Lula acha “normal” Eduardo Cunha despachar de um gabinete no Congresso; Grande Reset Global ou economia de guerra com pleno emprego? União Europeia faz a escolha.

Tecnologia do Blogger.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Bluehost Review